“Me reencontrei neste álbum”, diz Di Ferrero sobre Sinais

O cantor lançou o Sinais - Parte I, seu novo álbum, nesta sexta-feira (19)

Por Mel Trench - Atualizado em 22 jul 2019, 19h16 - Publicado em 22 jul 2019, 17h08

Di Ferrero decidiu embarcar em carreira solo há um ano e meio. Desde então, lançou alguns singles, como Sentença, e nesta sexta-feira (19), seu mais novo álbum, Sinais – Parte I. Em entrevista à CAPRICHO, Di entregou diversos detalhes da produção do disco, falou sobre seus próximos passos, relembrou o passado no NX Zero e mostrou estar muito feliz com todas as novidades. Vem descobrir tudo por trás de Sinais!

CH: Como surgiu a ideia do álbum?

DI FERRERO: Desde que lancei Sentença, minha primeira música solo, pensei: “Nossa, esse som tem a minha cara”, e logo veio a ideia do álbum. Depois desse momento, comecei a transformar essa fase da minha vida em música. Antes eu fazia música em um momento mais introspectivo ou quando eu passava por algo mais difícil, como uma forma terapia. O novo álbum é diferente. É mais feliz e para cima, algo meio solar.

CH: Então as músicas são inspiradas na sua própria vida?

DI: Sim, são inspiradas em momentos pelos quais eu passei e estava querendo escrever. A primeira faixa, Viver Bem, foi inspirada em um dia de sol no Rio de Janeiro, naquele sentimento de querer ver o mar. A segunda chama Diamante Raro, que eu fiz com o Gee do NX Zero, e fala sobre uma parada que é difícil de encontrar, como uma amizade verdadeira, alguém em quem você confia e que te dá mão em diversos momentos. Seus Sinais é de uma história que aconteceu mesmo e quem deu o nome para a música foi o Lulu Santos. Na letra, quando eu falo “eu só não saio mais”, quer dizer que terminou tudo bem. 

View this post on Instagram

Se liguem na capa !! 19.07 vai tá no ar pra geral … #DiFerreroSinais

A post shared by DI (@diferrero) on

CH: Por que decidiu dividir o álbum em duas partes?

DI: Achei que assim daria mais atenção para essas músicas e depois para as próximas. Como se fosse uma série mesmo e tivesse dois capítulos. As outras seis faixas terão alguns feats. dos quais eu ainda não posso falar sobre. Gosto muito da ideia de fazer um álbum, acredito que sou artista para isso. Sei que todo mundo está lançando singles, mas gosto de contar uma história.

CH: E por que o nome Sinais?

DI: Sempre acreditei muito na intuição. Tem sempre uma vozinha que me ajuda em vários momentos, seja por alguém ou por um som. Então eu sempre busco sinais, acho que é um jeito poético de se viver. Foi o Lulu Santos que deu nome para a música Seus Sinais e eu acabei gostando, acho que resume esse lance de intuição, de entender o seu momento e o seu coração.

CH: Você já produziu a segunda parte do álbum? Como vai ser?

DI: Sim, já produzi a maior parte, já gravei algumas parcerias… Falta alguma coisa ali e aqui de letra, mas daqui uns três meses deve sair. Acho que segue a mesma vibe da primeira parte, um pouco mais orgânica, todas as músicas saíram do violão. 

Continua após a publicidade

CH: Você disse que a ideia do álbum era testar o máximo de coisas sem perder quem você é de verdade. O que quis dizer com isso?

DI: Tem alguns momentos em que ficamos reféns do que já passou e do que já fizemos, e eu não queria que isso acontecesse, queria me permitir compor com outras pessoas e só depois ver no que iria dar. Fiz isso respeitando o que eu sou, sem fazer algo só porque está na moda. Quis ser eu mesmo, mas me permitindo passar por outras coisas, e eu estou muito feliz com esse momento.

View this post on Instagram

Em volta da gente o céu e a Lua como um farol, mas você brilhava mais… #DiFerreroSinais

A post shared by DI (@diferrero) on

CH: A faixa Outra Dose tem bastante influência do reggaeton. Como foi sua criação? 

DI: Outra Dose eu compus no violão. Ela era um reggae e depois foi para esse ritmo mais latino. Eu produzi enquanto estava indo para uma festa e saiu bem para cima, acho que é a mais dançante do álbum. 

CH: Quais são suas inspirações musicais?

DI: Eu escuto de tudo. Agora estou ouvindo The Neighbourhood e Frank Ocean. Escuto Halsey, cheguei a conhecê-la, ela também gosta bastante dos anos 90, Nirvana, toda essa fase grunge que eu adoro. Do Brasil, eu gosto de ouvir as meninas do Anavitória e a Iza, que é minha mana.

View this post on Instagram

Galera, já tá liberado salvar o álbum pra ouvir Antes de Todo Mundo !! Se liga que você ainda pode ganhar uma camiseta autografada, link na Bio !! #DiFerreroSinais

A post shared by DI (@diferrero) on

CH: Quais são seus planos para o futuro?

DI: Penso em fazer músicas em um novo formato, gravar um show… Não como um DVD, mas algo que eu coloque no YouTube para registrar Sinais. Depois, penso também em projetos como um acústico, que sempre tive vontade de fazer. 

Continua após a publicidade
Publicidade