Lauren Jauregui sobre fanfic com Camila Cabello: “Me sentia uma predadora”

A cantora abriu o jogo sobre como se sentia mal ao ver os fãs torcendo para que ela e Camila estivessem vivendo um romance escondido

Por Amábile Reis Atualizado em 29 out 2020, 09h34 - Publicado em 29 out 2020, 09h32
colecao-roupas-capricho-marisa
Divulgação/CAPRICHO

Quem aqui sente saudades de Fifth Harmony? Se você é Harmonizer, sabe da fanfic criada por alguns fãs de que Lauren Jauregui e Camila Cabello viveram um romance na época da girlband. E, em entrevista para o podcast En La Sala, Lauren resolveu abrir o jogo e comentar o que pensa desse shipp com a ex-colega de grupo.

“As pessoas achavam que Camila e eu estávamos apaixonadas e isso me deixava muito desconfortável. Tipo, passando mal de desconforto, porque eu sou queer [forma de designar todos que não se encaixam na heterocisnormatividade], mas ela não é. Aquilo fazia com que eu me sentisse como uma predadora, basicamente. Me fazia sentir como uma predadora, basicamente, por conta das montagens que as pessoas faziam de nós, por conta das histórias que escreviam sobre nós e todo esse tipo de coisa. Eu estava como uma agressora e sempre era posta como a pessoa que estava a fazendo se transformar [em LGBTQIA+], eu sempre era aquela com a energia ‘masculina’ naquele cenário criado. E isso me deixava muito desconfortável porque não é como eu me identifico“, desabafou.

Jauregui ainda comentou que não existia esse tipo de conexão amorosa entre ela e Cabello, que as duas eram apenas boas amigas na época. “Nós nos respeitávamos. Quando nós falávamos, a gente se olhava. Nós tínhamos muito amor uma pela outra, era genuinamente uma amizade“, pontuou.

Inclusive, a cantora explicou que, enquanto estava crescendo, precisou lidar com esse trauma de ficar muito preocupada em ser mal interpretada ao demonstrar afeto de amizade para meninas, porque tinha medo de que elas pudessem julgar aquilo como algo romântico, assim como algumas fãs de 5H fizeram com a sua parceria com Camila… Que complicado, né?

Veja a entrevista:

Continua após a publicidade
Publicidade