Jamie Clayton sobre Sense8: “Estou muito feliz em saber que sou uma fonte de inspiração”

Atriz transexual falou sobre a série do Netflix ao lado de Aml Ameen e Alfonso Herrera na Comic Con Experience 2015, em São Paulo

Por Texto e Fotos: Bruno Dias - Atualizado em 24 ago 2016, 15h20 - Publicado em 4 dez 2015, 20h20

Jamie Clayton (Nomi Marks), Aml Ameen (Capheus) e Alfonso Herrera (Hernando) foram os três atores do elenco de Sense8 , do Netflix, que vieram falar sobre a série nesta sexta-feira (4/12), na Comic Con Experience 2015, em São Paulo. Os três falaram sobre o impacto da série em suas vidas e na dos fãs, principalmente Jamie, que se emocionou ao saber que é uma inspiração para jovens homossexuais e transgêneros que acompanham a série dos irmãos Andy e Lana Wachowski.

“A frase que simboliza a série é: ‘I am we’, o que significa que todo estamos incluídos em uma cultura e temos que nos ajudar, temos que entender as nossas diferenças”, falou Alfonso. Em seguida, foi a vez de Jamie Clayton ressaltar os tabus que estão sendo quebrados por Sense8 em sua primeira temporada: “Para mim a importância deste personagem e a sua história é que ela foi escrita por alguém que também é transgênero e também teve essa experiência, assim como eu também estou sendo dirigida por alguém que é trans e eu sou trans, e isso é algo do qual eu tenho orgulho”.

Aml Ameen, que é britânico, interpreta um jovem africano em Sense8, mas sem usar dos clichês comuns ao retratar o povo da África em filmes e séries. “Em Hollywood nós só vemos africanos em um tipo de papel, que costuma ser sobre um histórico de sofrimento”, falou. “Já eu aprecio o modo como todos olham nos seus olhos por lá, independentemente de quem você seja. Atuando como Capheus eu posso encorporar a real beleza dos africanos e especialmente dos quenianos.”

Quase no final da entrevista coletiva, um jornalista falou que Jamie e sua personagem Nomi o ajudaram a superar muitos preconceitos, deixando a atriz bastante emocionada após fazer um lindo discurso sobre “felicidade” e liberdade de escolha.

“É muito pessoal para mim quando eu ouço pessoas, seja no Twitter ou no Instagram, falando, ‘ver você me ajudou a encontrar coragem de ser eu mesmo com meus amigos, com minha família”, desabafou Jamie. “É muito importante nós sabermos que somos bom o bastante e que não dependemos de outras pessoas para nos dizer o que somos. Posso olhar no espelho e dizer: ‘você é boa o bastante’.”

Segurando o choro, que veio assim que terminou de responder a pergunta, Jamie disse que “felicidade é uma escolha que as pessoas fazem” e que é bom “saber que você tem pessoas importantes do seu lado para enfrentar todas as merdas a vida quer jogar na gente”, finalizando: “Estou muito feliz em saber que sou uma fonte de inspiração”.

Continua após a publicidade
Publicidade