Crítica: Cruel Summer é a série adolescente para quem ama um bom mistério

A primeira temporada chegou na Amazon Prime e conta com 10 episódios

Por Djenifer Dias Atualizado em 11 ago 2021, 15h44 - Publicado em 11 ago 2021, 13h00
de um lado, o hidratante, o perfume e a máscara facial hello stars, dispostos lado a lado. De outro, as frases: Cada estrela é única, como você. Conheça a nova linha Hello Stars. Todos os elementos estão em um fundo azul escuro com estrelas que brilham
CAPRICHO/Divulgação

Está procurando alguma coisa com uma pegada de suspense que você não vai conseguir parar de assistir? O novo seriado adolescente da Amazon é uma ótima escolha! Assistimos a primeira temporada e vamos te contar o que a gente achou, mas fica tranquila que esta matéria não contém spoilers, ok? Vamos lá!

A série começa com uma narrativa que navega entre os acontecimentos de três anos diferentes, sendo eles 1993, 1994 e 1995, ou seja, aquela pegada dos anos 90 no estilo de se vestir e nas músicas é bem presente na história.

Tudo gira em torno de duas jovens, Jeanette (Chiara Aurelia) e Kate (Olivia Holt), trazendo aquele clichê da garota nerd que gostaria de ser popular, sabe? A trama começa a ganhar força quando Kate desaparece e Jeanette se torna a nova “abelha-rainha”. Em pouco tempo, Jeanette vai da nerd invisível para a popular descolada e depois para a adolescente mais odiada dos Estados Unidos, quando todos começam a pensar que ela está envolvida no sumiço de Kate.

Foco no rosto da personagem Jeanette, do seriado Cruel Summer, ela olha para o lado com expressão séria usando camisa xadrez e laranja.
Personagem Jeanette, da série Cruel Summer. Amazon Prime/Divulgação

O que conquista em Cruel Summer é o fato de todos os seus personagens serem bem explorados e trazerem um bom nível de complexidade – coisa que não é muito comum em produções do gênero. Conseguimos entender as motivações de cada um deles, o que deixa os episódios ainda mais ricos. E quando o assunto são as duas protagonistas, o aprofundamento é ainda maior, já que o roteiro oscila entre o ponto de vista das duas, ou seja, a dúvida sobre quem está dizendo a verdade se mantém até o último segundo.

Outro fator importante é como o enredo consegue se manter em um bom ritmo durante os 10 episódios. O mistério se instaura até o final com várias reviravoltas e sem se perder no meio disso. Sempre que você parece ter entendido tudo, alguma reviravolta acontece mantendo o thriller psicológico mais vivo do que nunca.

Foco no rosto das personagens Mallory e Kate, com expressões sérias olhando para alguém.
Personagens Mallory e Kate, de Cruel Summer. Amazon Prime/Divulgação
  • Eles conseguiram distribuir bem os acontecimentos para não termos nenhum episódio parado. Se fosse para listarmos os defeitos da série, eles ficariam em: reforçar o estereótipo de que para ser popular e amada, você precisa se encaixar em um determinado padrão de beleza e comportamento. E também, o lance de as atitudes ruins dos personagens, apesar de terem consequências pesadas, deixarem aquele sentimento de “sofri, mas valeu a pena“, sabe?

    Continua após a publicidade

    No mais, a fotografia usada para diferenciar cada um dos anos, deixando os anos “bons” com maior saturação e caindo para um tom quase sem cor nos acontecimentos posteriores, é um baita ponto positivo já que fica fácil identificar o período da história com esse recurso sendo usado de forma tão inteligente. A trilha sonora também é tu-do. Bandas como, Radiohead e Cranberries fazem parte de algumas das cenas mais importantes da série.

    A trama também consegue explorar assuntos delicados dando a profundidade que eles precisam. Não podemos deixar de falar das atuações de Olivia Holt e Chiara Aurelia, que conseguiram dar todas as facetas que suas personagens precisavam, trazendo a sensibilidade e força que eram necessárias. A gente sente as emoções de cada uma delas, é surreal!

    Foco no rosto da personagem Kate, do seriado Cruel Summer, ela olha para o lado com expressão séria.
    Personagem Kate, do seriado Cruel Summer. Amazon Prime/Divulgação

    Se você gostou e ficou curiosa para assistir ela já foi renovada para segunda temporada, viu? Mesmo assim, a produção conseguiu dar um final que entregou as respostas para todas as perguntas. Então, não se preocupe!

    Para a segunda temporada, Jessica Biel, produtora da série, disse que podemos esperar a mesma fórmula que deu certo na primeira: a ambientação na década de 90, três linhas do tempo na narração, história oscilando entre duas perspectivas e um grande mistério que será resolvido até o final da temporada.

    Aviso de gatilho: a série tem imagens de aliciamento, agressão e assédio que podem ser perturbadoras. Assistam com cautela, ok?

    O que você achou? Vai maratonar?

    Continua após a publicidade
    Publicidade