Vacina contra o HIV tem resultados efetivos em primeiro teste com humanos

A resposta positiva foi detectada em 97% dos participantes que receberam o imunizante na fase um de testagem

Por Gabriela Junqueira 14 abr 2021, 11h06

Uma nova vacina contra o HIV teve resultados promissores na primeira fase de testes do ensaio clínico. Resultado de uma parceria da Internacional da Vacina da AIDS (Iavi) e a Scripps Research, a droga conseguiu “estimular a produção de células raras, necessárias para iniciar o processo de geração de anticorpos contra o vírus, que tem mutação rápida; a resposta foi detectada em 97% dos participantes que receberam o imunizante”, explica comunicado oficial das empresas.

Imagem mostra a mão de uma pessoa, usando luva, e segurando uma seringa
Catherine Falls Commercial/Getty Images

O estudo foi realizado nos Estados Unidos e participaram 48 adultos saudáveis. Os voluntários tomaram duas doses – de placebo ou do imunizante -, e estão sendo monitorados por 12 meses. Ainda será realizada as fases 2 e 3 de testes, que contará com um número maior de participantes.

A estratégia utilizada na vacina é conhecida como “direcionamento de linha germinativa”, e consiste na ativação dos linfócitos B, que participam da produção dos anticorpos amplamente neutralizantes (bnAbs). “Com nossos muitos colaboradores na equipe de estudo, mostramos que as vacinas podem ser projetadas para estimular células imunes raras com propriedades específicas, e essa estimulação direcionada pode ser muito eficiente em humanos”, explica William Schief, imunologista do Scripps Research e diretor executivo do Centro de Anticorpos Neutralizantes da Iavi. Schief ainda completa: “Nós e outros pesquisadores postulamos há muitos anos que, para induzir bnAbs, você deve iniciar o processo ativando as células B certas – células que têm propriedades especiais que lhes dão potencial para se desenvolverem em células secretoras de bnAb. Os dados deste ensaio afirmam a capacidade da vacina de fazer isso”.

  • O ensaio também deve colaborar no desenvolvimento de outros imunizantes. Futuramente, existe a ideia de usar uma tecnologia aplicada em uma das vacinas para a COVID-19. O Iavi e Scripps Research pretendem fazer uma parceria com a Moderna para testar uma vacina com mRNA. “Esta é uma grande conquista para a ciência das vacinas como um todo”, concluiu Dennis Burton, professor e presidente do Departamento de Imunologia e Microbiologia da Scripps Research.

    Continua após a publicidade
    Publicidade