Think Olga e Facebook se unem para criar internet segura para mulheres

A intenção do projeto ‘Conexões Que Salvam’ é divulgar informações sobre segurança online

Por Da Redação 10 Maio 2018, 18h41

É verdade que a internet trouxe muitas coisas boas para nossas vidas. Porém, a ferramenta, principalmente por conta do aparente anonimato que ela proporciona, também deu espaço para um comportamento violento, comentários de ódio e difamadores. De acordo com dados da ONU, esse tipo de prática tem como vítima um grupo principal, o das mulheres. A organização estima que 95% de todos os comportamentos agressivos e caluniadores tenham como alvo as pessoas do gênero feminino.

Sabendo que em todo o mundo cerca de 70% das mulheres que estão conectadas já foram expostas a algum tipo de violência online, a ONG Think Olga e o Facebook se uniram para criar o projeto Conexões Que Salvam. A ideia da iniciativa é difundir informações sobre segurança online para que mais pessoas saibam dos direitos que possuem na internet e criar um ambiente digital mais seguro e acolhedor para as mulheres.

+Leia: Campanha de conscientização edita corpo de acordo com comentários de ódio

Mesmo que você nunca tenha sido vítima de nenhuma agressão digital, ainda é possível (e necessário!) ajudar nesta luta. No site do projeto, há explicações para entender mais sobre o que fazer quando se deparar com um conteúdo que humilha uma pessoa na internet, como fazer uma denuncia e como pedir ou dar apoio para quem passou por isso.

Continua após a publicidade
Conexões Que Salvam/Reprodução

Didática, a plataforma de Conexões Que Salvam conta com uma lista de nove passos que podemos praticar para criar uma internet mais segura. Denunciar quem está agindo de maneira agressiva com outra pessoa, não compartilhar o conteúdo ofensivo (mesmo que seja com a intenção de alertar) e não tentar justificar esse tipo de atitude (ela só tem um culpado e é a pessoa que a cometeu) são alguns deles.

Além disso, o site informa redes de apoio para mulheres que sofreram com ameaças ou situações vexatórias, dá dicas de como se proteger online e o passo a passo para fazer uma denúncia. Dados extremamente necessários, né?

  • Falar, discutir e se informar sobre esse assunto é essencial para que a violência digital acabe. Não podemos normalizar e nem relativizar esse tipo de episódio. É necessário lembrar que por trás de um perfil, existe uma pessoa de verdade que sofre com as humilhações online, o revenge porn, agressões e ameaças.

    Um ambiente seguro só pode ser construído com a colaboração de todos”, diz a apresentação do projeto e nós não poderíamos concordar mais! Conheça mais sobre o projeto em www.conexoesquesalvam.com.

    Para denunciar alguma agressão contra a mulher, ligue 180.

    Continua após a publicidade
    Publicidade