“Sem o machismo, não estaríamos tão insatisfeitas com nós mesmas”

No 2º vídeo do nosso especial do mês das mulheres, Letticia Munniz e Mayara Constantino respondem como seria se o machismo acabasse hoje

Por Da Redação 9 mar 2022, 17h35

Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a CAPRICHO iniciou um exercício de futuro para você imaginar como seria o mundo se o machisse não existisse. Até a próxima terça-feira (15), publicaremos um vídeo especial por dia. No de hoje, contamos com a participação da atriz Mayara Constantino e da influenciadora e modelo Letticia Munniz.

thumb letticia e mayara
Reprodução/CAPRICHO

As duas trabalham com a imagem e a voz. Mesmo tendo vivências diferentes, elas já foram afetadas em diversos momentos pelas cobranças da sociedade patriarcal. “A gente é pressionada a ter não só um corpo ou uma imagem, mas um comportamento perfeito para que a gente agrade os homens”, fala Letticia sobre a pressão estética sofrida pelas mulheres ainda hoje.

 

Continua após a publicidade

Para Mayara, essa pressão é ainda mais sentida por um grupo que é mais oprimido. Ela critica também o fato de as mulheres terem que se afirmar e reafirmar muito mais do que os homens para serem ouvidas. “Nossa luta é ter coragem e força, e talvez um agressividade para nesse lugar mais selvagem coseguir quebrar esse padrões”, opina.

Veja a seguir:

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por CAPRICHO (@capricho)

E para você, como seria se o machismo acabasse hoje? Grave sua resposta e poste no Instagram com a hashtag #GirlPowerCH. Estamos de olho nos depoimentos!

Continua após a publicidade

Publicidade