Professor não deixa jovem sair da sala e manda ela “segurar a menstruação”

O caso aconteceu no Reino Unido; professor falou para adolescente segurar a menstruação até o intervalo, que seria em meia hora

Por Gabriela Junqueira - Atualizado em 19 fev 2020, 19h23 - Publicado em 19 fev 2020, 14h00

Uma mãe relatou em um site de maternidade que, no Reino Unido, um professor mandou sua filha “segurar a menstruação” e não deixou a garota sair da sala para trocar o absorvente.

A mulher explicou que, no colégio onde a jovem estuda, os alunos não são autorizados a deixar da sala durante as aulas sem ter algum atestado médico que comprove a existência de um motivo plausível.

A mãe disse que concorda e entende essa conduta, já que muitos alunos aproveitam e ficam saindo e entrando da sala toda hora, mas explica que sua filha estava passando por uma situação da qual não tinha controle.

Continua após a publicidade

“Hoje, em uma de suas aulas, DD disse que sentia que precisava trocar o absorvente, e que estava ficando bastante preocupada com o vazamento. Então, ela perguntou ao professor (homem) se poderia ir ao banheiro…”, contou no texto publicado no site Mumsnet.

Em seguida, colocou o diálogo que a filha teve com o professor: 

– Não, você conhece as regras, disse o professor.

-Eu realmente preciso, respondeu DD.

Continua após a publicidade

-O que eu acabei de dizer? 

-É um problema feminino.

– O que você quer dizer?

– Eu estou menstruada. 

Continua após a publicidade

-O intervalo é em apenas meia hora, segure até lá.

Texto original publicado pela mãe da jovem Reprodução/Reprodução

A mãe, que também é professora, disse que ficou chocada com a resposta e que acredita que até um homem deve saber que o corpo feminino não funciona dessa maneira.

Uma adolescente não deveria ter que ouvir nenhuma fala desse tipo. Apesar de ser uma regra da escola, todo jovem deveria poder ir ao banheiro sempre que necessário, se isso implica diretamente no seu conforto. Se as normas vigentes prejudicam o bem estar de alunas e alunos, o colégio precisa urgentemente repensá-las. 

Publicidade