O que é TDAH? Entenda o transtorno que o cantor Fiuk revelou ter

Após cantor Fiuk revelar no BB21 que tem TDAH, as pesquisas pela sigla saltaram

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 30 jan 2021, 11h51 - Publicado em 30 jan 2021, 11h00

Durante uma conversa com Projota no Big Brother Brasil esta semana, Fiuk contou que foi diagnosticado com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) quando era criança. “Fui crescendo e quis saber o que era isso que eu tenho, fui ficando inquieto”, contou o brother. Após a declaração do cantor, as pesquisas por TDAH tiveram um aumento repentino, segundo o Google Trends. 

O que é TDAH? Entenda o transtorno que o cantor Fiuk revelou ter
No BBB21, Fiuk contou que foi diagnosticado com TDAH Big Brother Brasil/Reprodução

O TDAH é geralmente diagnosticado na infância e é marcado por impulsividade e desatenção, atrelada a “perda frequente de objetos, ao esquecimento de compromissos e prazos, à dificuldade em manter atenção em atividades lúdicas ou demoradas, à falta de atenção em detalhes, à distração fácil por estímulos alheios e à dificuldade para organizar tarefas e atividades”, explicou a psicóloga especialista em saúde mental, Andréa Chaves, anteriormente para a CAPRICHO.

Em geral, crianças com TDAH relatam problemas de autoestima, dificuldade na escola e no convívio com os colegas. “Eu sempre tinha que me isolar, sentar no canto da sala. Moleque me dava tapa na cabeça, eu sempre sofria muito bullying” contou Fiuk, que continuou: “Quando eu li [sobre TDAH], conheci o que era.”

O transtorno é o mesmo que o ex-BBB Daniel Lenhardt possui. Alguns episódios de desatenção do modelo levaram os internautas a criticá-lo, fazendo com que o seu irmão, Tomás Lenhardt, se manifestasse na época. “Com certeza, [os erros de Daniel] têm relação [com o TDAH], pois vemos claramente que ele fica muito mal quando acontece isso, mesmo ele não querendo que aconteça”, disse em entrevista ao UOL.

Segundo o Instituto Brasileiro do Déficit de Atenção, 3 a 5% das crianças do mundo têm o transtorno e em metade dos casos ele acompanha os indivíduos na fase adulta. O diagnóstico é feito através de uma avaliação clínica realizada com um profissional e é necessário que pelo menos seis sintomas identificados no DSM-IV,  um manual de diagnósticos, sejam identificados.

  • Apesar de não ter cura, o transtorno tem tratamento, feito com intervenção multidisciplinar – incluindo o acompanhamento de psicólogo, psiquiatra, auxílio pedagógico e apoio da família – combinada, em alguns casos, a medicamentos. O diagnóstico precoce é importante e ajuda a criança a lidar melhor com as dificuldades.

    Continua após a publicidade
    Publicidade