O ano é 2021 e brancos seguem se “fantasiando” de negros no Brasil

Casal é acusado de blackface após se caracterizar de "nega maluca" para ir a uma festa à fantasia organizada por congregação evangélica

Por Isabella Otto Atualizado em 27 out 2021, 09h11 - Publicado em 27 out 2021, 09h08

Nesta semana, viralizou na internet a imagem de um casal que se fantasiou de “nega maluca” para uma festa de Halloween promovida por uma congregação evangélica. O caso ocorreu em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, no último sábado, 23.

Casal branco vestidos de
A selfie postada pelo casal nas redes Instagram/Reprodução

Além de usarem uma blusa preta, fingindo ser a pele deles, e pintarem o rosto com tinta preta, fazendo blackface em pleno 2021, ambos usaram perucas estereotipadas do cabelo blackpower e, não obstantes, fizeram questão de publicar a selfie pré-comemoração nas redes sociais.

A Igreja Batista Atitude, que organizou o festejo, emitiu uma nota dizendo que “as partes envolvidas não tinham conhecimento do que é blackface, portanto, fizeram suas fantasias sem a intenção de serem racistas” e que amam a todos, sem exceção.

O blackface é considerado um ato racista porque transforma a identidade do negro em uma espécie de fantasia e em algo caricato, ignorando completamente a História Brasileira e a escravidão. Por anos, por exemplo, os negros não tinham espaço no cinema, sendo interpretados por atores brancos, que tinham seus corpos escurecidos por maquiagem, escancarando o racismo estrutural e a segregação racial. O blackface também exemplifica bem o conceito de racismo recreativo, abordado pelo vereador Yuri Moura, presidente da Comissão de Educação, Assistência Social e Defesa dos Direitos Humanos da Câmara de Petrópolis, que enviou uma notícia-crime para o Ministério Público sobre o caso. “O conceito de racismo recreativo designa uma política cultural que utiliza o humor para expressar hostilidade em relação a minorias raciais. O humor racista opera como um mecanismo cultural que propaga o racismo, mas que ao mesmo tempo permite que pessoas brancas possam manter uma imagem positiva de si mesmas. Elas conseguem então propagar a ideia de que o racismo não tem relevância social. Não se pode olvidar que o humor é uma forma de discurso que expressa valores sociais presentes em uma dada sociedade”, pontua o documento apresentado.

+: 9 tipos de “fantasias” que, na verdade, não são fantasias

Enquanto alguns defendem que estão problematizando demais e que tudo não passa de mimimi, o Ministério apura se houve mesmo crime de racismo. É importante ressaltar que, embora em algum momento possam ter sido consideradas fantasias, algumas vestimentas absolutamente não são de bom tom. Se você desconfiar que a sua caracterização pode ofender alguém, a cultura e a história de um povo, e exaltar, por exemplo, figuras duvidosas da História, mude de ideia. A ignorância não pode mais ser usada como justificativa – especialmente por um casal como o deste caso, que parece ter facilmente acesso à internet -, pois informação tem de monte; basta ir atrás e se desprender de amarras preconceituosas.

Continua após a publicidade

Publicidade