Judoca francesa acusa namorado de violência doméstica e lamenta impunidade

Margaux Pinot foi até a delegacia prestar queixa com o rosto completamente desfigurado, mas a polícia garantiu não haver provas contra o agressor

Por Isabella Otto Atualizado em 2 dez 2021, 09h45 - Publicado em 2 dez 2021, 14h00

Margaux Pinot, judoca campeã olímpica de Tóquio, usou o Instagram para relatar a indignação que está sentindo após denunciar um crime de violência doméstica para a polícia e nada ter sido feito, uma vez que as autoridades alegaram “não ter elementos suficientes” para provar a acusação feita contra o companheiro, Alain Schmitt. Esta era a situação da atleta ao registrar a denúncia:

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Margaux PINOT (@margaux.pinot)

Aos 27 anos, a francesa disse que achou por um momento que estava morta, depois de levar tantos socos no rosto. Reunindo forças sem saber de onde, ela conseguiu escapar do agressor e pedir ajuda aos vizinhos, que prontamente ligaram para a delegacia. “Tenho vários ferimentos, incluindo um nariz quebrado e 10 dias de interrupção temporária do trabalho. E hoje a justiça decidiu libertá-lo”, indignou-se em postagem realizada nesta quarta, 1º.

+: Vítimas de abuso não podem confiar na Justiça e aqui está a prova

O crime teria ocorrido na madrugada do último sábado, 27. “Fui vítima de uma agressão em minha casa pelo meu parceiro e treinador. Eu fui insultada, socada, minha cabeça foi atingida no chão várias vezes. E finalmente estrangulada(…) Estou em choque, é um acontecimento difícil, alguns minutos de ultraviolência. Estou com hematomas na cabeça, no rosto, estou com o nariz quebrado. Ainda estou fazendo exames médicos porque estou com tontura”, disse a vítima, que garante continuar sua busca por justiça.

Foto do judoca Alain Schmitt no tatame. Ao lado, imagem da sua esposa e atleta com o rosto desfigurado, após sofrer violência doméstica do marido
À esquerda, Alain Schmitt no tatame; à direita, sua esposa e atleta após agressão David Finch/Getty Images e Instagram/Reprodução

Sobre a caso, o presidente do Tribunal de Bobigny deu a seguinte declaração: “Nunca existe um tribunal para dizer quem está dizendo a verdade e quem está mentindo. Neste caso, não temos provas suficientes de culpa”. Já o namorado da vítima disse o seguinte: “Eu nunca bati em uma mulher na minha vida, é uma besteira”, falou. Alain Schmitt ainda falou que, na verdade, foi ele quem quase chegou perto da morte.

Schmitt tinha sido contratado recentemente para treinar a Seleção Feminina de Judô de Israel e já estava a caminho do país quando a Associação Israelense do esporte suspendeu o contrato com ele, após tomar conhecimento das acusações feitas pela ex-companheira.

Continua após a publicidade

Publicidade