Jovem morre após tomar anticoncepcional bastante comum no Brasil

A trombose venosa profunda evoluiu para uma embolia pulmonar.

Por Amanda Oliveira Atualizado em 22 mar 2018, 15h46 - Publicado em 21 out 2017, 11h42

Charlotte Foster faleceu em janeiro de 2016, mas só agora as pessoas estão tomando conhecimento de sua morte – e do porquê de ela ter sido tão precoce. A jovem de 23 anos morreu devido a uma embolia pulmonar, doença causada por um coágulo de sangue em uma artéria, que acontece geralmente nas veias da perna (na região da coxa) ou da pélvis (área dos quadris). Esse tipo de coágulo também é conhecido como trombose venosa profunda e bloqueia a passagem de sangue. No caso de Charlotte, a trombose se deslocou para os pulmões.

Charlotte Foster em sua formatura, com os pais. Reprodução/Reprodução

Depois de muitas análises, um inquérito constatou que a única causa possível da morte era a pílula anticoncepcional que a estudante estava tomando, que contribuiu para a formação do coágulo. Charlotte, que tinha acabado de se formar na faculdade, fazia uso da pílula Dianette, conhecida no Brasil como Diane-35, um dos anticoncepcionais queridinhos das brasileiras. Ela tomava o remédio há cinco meses como método contraceptivo e tratamento de acne, com orientação do ginecologista.

Três semanas antes de sua morte, Charlotte chegou a procurar o médico alegando sentir fortes dores na perna, mas o profissional recomendou que ela tirasse um dia de descanso em um spa. A mãe da jovem afirmou que a filha também havia contado ao médico sobre sentir palpitações, dores nas costelas, nas costas e dificuldades para respirar. Tudo foi ignorado pelo ginecologista.

iStock/Toeps/Reprodução

Cada vez mais mulheres estão pensando duas vezes antes de começar a tomar pílula anticoncepcional, por ler relatos trágicos como o de Charlotte Foster. Contudo, vale ressaltar que cada organismo reage ao medicamento de uma maneira diferente. É por isso que você jamais deve se automedicar (só porque aquela amiga recomendou uma marca de anticoncepcional), deve sempre procurar um ginecologista e fazer exames antes de começar a tomar pílula, pois algumas mulheres têm tendência a ter trombose e não devem fazer uso do método.

É importante também ter conhecimento de casos como esse, pois assim você pode argumentar caso seu(sua) médico(a) não peça exames ou trate os sintomas que apareceram após o uso da pílula anticoncepcional como irrelevantes. Métodos contraceptivos são girl power, mas cuidar de você mesma também é!

 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade