Irmã de ator morto por sogro desabafa em carta aberta: “Trauma gigantesco”

Irmã de vítima aproveitou para se posicionar contra a indústria armamentista: "Arma não é e nunca será objeto de defesa"

Por Isabella Otto Atualizado em 10 nov 2020, 10h20 - Publicado em 11 jun 2019, 15h37

A irmã mais velha de Rafael Miguel, morto no último domingo, 9, em um crime cometido pelo sogro em São Paulo, Camilla Miguel, usou as redes sociais para se pronunciar pela primeira vez sobre o caso.

Rafa e Camilla juntos em um evento automobilístico Reprodução/Reprodução

A jovem perdeu o irmão, a mãe e o pai de uma só vez. Ela agradeceu o apoio que tem recebido, tanto de conhecidos quanto de desconhecidos, mas também desabafou sobre o que está sentindo e condenou a indústria armamentista: “Arma não é e nunca será objeto de defesa; arma é um objeto que mata”.

Paulo Cupertino Matias, de 48 anos, pai de Isabela Tibcheran, namorada de Rafal, segue foragido. Na última segunda-feira, 10, a filha do criminoso revelou em entrevista à televisão que, apesar de tudo, a mãe está ao lado do marido.

Confira a carta aberta na íntegra escrita pela irmã da vítima:
“Agradeço imensamente cada uma das incontáveis mensagens de amor e colhimento. Peço desculpas por não ter respondido a um dos amigos e reportagens que tentaram contato, mas estou em um momento de luto e assimilação de tudo que aconteceu, não consigo me pronunciar sobre justiça, nem como vamos seguir a vida.

Continua após a publicidade

Obrigada também às, talvez, milhares de pessoas que compareceram ao funeral e enterro. E peço encarecidamente que não compartilhem, comentem, e apenas denunciem perfis desrespeitosos que tenham tirado e postado fotos do funeral ou corpos. Isso é desumano em níveis idênticos ao que uma pessoa fez com meus pais e meu irmão.

Com o tempo e aos poucos decidirei se vou me pronunciar, decidirei como eu e minha irmã de 13 anos vamos seguir. O sofrimento e a angústia de não tê-los mais, de não vê-los, não ver meus pais babando de amores pela neta, ou meu irmão sentado bem em frente de onde estou agora na cozinha, nada nunca vai ser completo sem eles, o trauma foi gigantesco. Mas seguirei eu, meu marido, que é o maior companheiro que existe, minha filha, e toda a família e amigos que sabemos que temos ao nosso lado.

Obrigada mãe, obrigada pai, obrigada Rafa. Vamos, por favor, deixá-los descansar na paz merecida pós tamanha brutalidade.

Arma não é e nunca será objeto de defesa; arma é um objeto que mata.”

Continua após a publicidade

Publicidade