Frotas de OVNIs são avistadas desde o começo da quarentena; o que seriam?

É um pássaro? É um avião? É o Super-Homem? É um satélite? Conversamos com um ufologista para desvendar esses "dilemas extraterrestres".

Por Isabella Otto - 6 jun 2020, 10h04
perfume ch o boticario fragrancia capricho mood
CAPRICHO/Divulgação

Desde o início da quarentena mundial por causa da pandemia de coronavírus, relatos de pessoas que avistaram frotas de OVNIs no céu foram publicados na internet. No dia 4 de abril, por exemplo, uma frota com 20 objetos não identificados foi vista em Cleveland, em Ohio, nos Estados Unidos. Em uma matéria publicada no jornal Daily Star, os autores do vídeo garantem que as luzes não eram lanternas, aviões, helicópteros, drones ou satélites. Veja abaixo o registro:

Pouco mais de um mês depois, o brasileiro abaixo postou em seu Twitter que também havia visto algo parecido, mas em Atibaia, interior de São Paulo:

Relatos iguais aparecerem em outras partes do Brasil, como em Belo Horizonte e em São Paulo:

Em meio a tanto mistério, no dia 15 de maio, o Twitter parou com a história de que OVNIs haviam sido vistos em Magé, no Rio de Janeiro. No vídeo que circula na web, é possível ver um clarão surgindo no céu, que, segundo relatos, teria sido causado pela queda do objeto não identificado. Fala-se até que ele havia caído perto de uma indústria e que a área havia sido cercada por militares. A Prefeitura de Magé e a Força Aérea Brasileira negam os boatos. Confira abaixo os vídeos postados:

Continua após a publicidade

Mas o que seriam essas luzes que tanta gente está vendo no céu? Por que os relatos aumentaram durante a quarentena? Será que tem algo a ver com a pandemia que a Terra está enfrentando? Teriam os extraterrestres sentido uma diferença de comportamento em nosso planeta e vindo investigar o que estaria acontecendo? Para tentar desvendar esses dilemas, conversamos com o escritor e ufólogo brasileiro Marco Antonio Petit. Ele disse que esse tipo de ampliação da atividade ufológica não tem ligação com a pandemia e já vem acontecendo há um tempo. “As pessoas na quarentena começaram a olhar mais para o céu por uma série de razões. Então, estamos diante de duas realidades: uma é a de que há uma confusão e má interpretação de satélites da SpaceX e outra é a de que há uma sequência de avistamentos reais de UFOs que se tornaram mais intensos nos últimos anos. Existe muita confusão, mas existe um fato real dessa ampliação da presença desses objetos em nossa atmosfera”, esclareceu.

No início de maio, o que muita gente viu no céu foram os tais satélites do empresário Elon Musk, fundados da empresa SpaceX, que já lançou mais de 420 satélites conhecidos como Starlink.

View this post on Instagram

Satélites Starlink Fila dupla de satélites (10 seg. exposição). . Lar, doce lar! . Inhamá, Cubatão, Pedralva-MG . #naturaza #starlink #vialactea #paixaoporfotografia #pedralva #inhama #lardocelar #homesweethome #minasgerais #fotografianoturna #natureza #estrelas #picoftheday #igers #photography #nofilter #luaminguante #stars #sky #brasil #ceudeminasgerais #suldeminas #turismomg #ceudeminasgerais #maeterra #chuvademeteoro #fotografianoturna #estrelas #quarentena #nightsky #MGdaJanela #ExpedicaoGloboDaJanela

A post shared by MANI Vida Natural (@manividanatural) on

Alguns, contudo, não se convenceram de que o que viram foram satélites, por causa do formato mais arredondado das luzes e do comportamento delas. Inclusive, no dia 10 de maio, a stylist Z.M., que teve a identidade aqui preservada, moradora da grande São Paulo, relatou que sonhou que havia sido abduzida e que haviam tirado sangue de seu corpo. “Pois quem acordou passando mal e com uma dor horrível na cabeça e no braço?”, postou no Facebook. Ela chegou a colocar na postagem uma foto do braço que acordou todo cheio de manchas vermelhas.

O ufólogo Marco diz que é difícil dizer o que pode ou não ter acontecido, mas que, diferentemente da crença popular, contatos imediatos não acontecem apenas durante a noite ou o sono. “Há casos de pessoas que relataram contatos durante o dia e sem que estivessem dormindo(…) Nós já fizemos mais de 800 conferências desde 1979 e o que podemos falar é que se trata realmente de uma realidade que acompanha a humanidade há vários milhares de anos, conforme pesquisas ligadas à épocas históricas e pré-históricas”, disse.

Postagem feita pela Z.M. no Facebook e foto do braço manchado. Arquivo Pessoal/Reprodução

Petit ainda explica que a maioria dessas aparições e dos contatos tem a ver com nosso passado misterioso e o que seria a própria origem não-terrestre da humanidade, “porque alguns desses seres são exatamente como nós” (não verdinhos, magros, gigantes ou nanicos como alguns filmes retratam). O ufólogo ainda afirma que muita coisas sobre o assunto foi omitida e até mesmo escondida ao longo dos anos. “Na atual fase da humanidade, principalmente em países onde a pesquisa civil foi mais avançada desde o início, hoje a área militar em várias nações começou o que podemos chamar de desacobertamento, inclusive no Brasil, divulgando documentações que mostram o quanto não se falou a verdade no passado sobre OVNIs e contatos diretos. Aqui no Brasil, dentro de várias pesquisas realizadas pela Força Aérea, temos como destaque uma que aconteceu na Amazônia, que ficou conhecida como Operação Prato“, conta.

 

Sobre os estudos, o ufólogo disse que foram descobertos dispositivos dentro dos corpos de pessoas que relataram terem tido contato com extraterrestres, que aparecem em radiografias e tomografias. Vários desses objetos foram tirados cirurgicamente e mandados para análise. Petit ainda conta que conheceu um médio norte-americano que realizava essas cirurgias e que vários implantes retirados e analisados eram feitos de materiais ou substâncias desconhecidas pela ciência do Planeta Terra.

Acha que viu um OVNI? Fez um registro dele? Marco Petit aconselha a enviar os relatos e conteúdos para pessoas que, como ele, trabalham com ufologia. E sem pânico, ok? A humanidade anda tão ruim que esbarrar com um ET talvez seja o melhor dos cenários…

Continua após a publicidade
Publicidade