Continua após publicidade

Caso Mahsa Amini: entenda os protestos feministas que estão rolando no Irã

O uso compulsório do hijab voltou a ser pauta após uma jovem de 22 anos morrer três dias após ser presa pelo uso indevido do véu em Teerã

Por Isabella Otto Atualizado em 24 set 2022, 10h25 - Publicado em 24 set 2022, 10h03
Manifestantes se reúnem contra a morte de Mahsa Amini em Nova York
Manifestantes se reúnem contra a morte de Mahsa Amini em Nova York Stephanie Keith/Getty Images

A última semana foi marcada por protestos no Irã, cujo estopim foi a morte de uma jovem de 22 anos, que entrou em coma e veio a óbito três dia após ser presa pela Gasht-e Ershad, a Patrulha de Orientação, conhecida popularmente como “Polícia da Moralidade”, no último dia 16, pelo uso indevido do véu (hijab). O caso ocorreu na capital Teerã.

Até o momento, ao menos 35 pessoas já morreram nas manifestações, que, segundo Ebrahim Raisi, presidente do Irã, devem continuar sendo repreendidas de maneira violenta, uma vez que, durante um telefone, o político disse que o país deve “lidar de forma decisiva com aqueles que se opõem à segurança e tranquilidade“.

 

Nos últimos dias, numa tentativa de censurar protestos online e barrar a comunicação do povo, as autoridades do Irã bloquearam o acesso ao Instagram e ao WhatsApp no país. De acordo com reportagens da TV estatal iraniana, a Mídia não está divulgando o real motivo pelo qual as manifestações estão ocorrendo, mais uma vez censurando o acesso à informação.

“Por decisão das autoridades, não é mais possível acessar no Irã o Instagram desde quarta-feira à noite. O acesso ao WhatsApp também foi interrompido”, informou a agência iraniana Fars em comunicado oficial.

Manifestação de apoio às iranianas em na Universidade de Berkeley, na Califórnia
Manifestação de apoio às iranianas em na Universidade de Berkeley, na Califórnia Tayfun Coskun/Anadolu Agency/Getty Images

QUEM ERA A JOVEM MORTA?

Mahsa Amini tinha 22 anos e estava visitando Teerã com a família, quando foi presa pela Patrulha de Orientação. Nascida no Curdistão iraniano e moradora de Saqqez, ela estava prestes a ingressar na faculdade e não tinha qualquer histórico de ativismo sociopolítico.

Continua após a publicidade

A mulher foi detida pelo uso indevido do hijab e encaminhada para a delegacia. A família acusa as autoridades de terem espancado a garota antes de ela ser encaminhada para uma aula de reforço sobre a necessidade de usar corretamente o véu.

+ Nós sabemos que o mundo é complexo de entender, ainda mais em ano eleitoral. Vem com a gente no CH na Eleição.

Os policiais negam, mas, três dias após a prisão, Mahsa Amini veio a óbito em um hospital local, onde estava internada em coma. As autoridades alegaram que a causa da morte teria sido um infarto.

Nas redes sociais, uma suposta imagem final da vítima, no hospital, está circulando.

Continua após a publicidade

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por mahsa amini مهسا امینی ژینا (@mahsa.amini.a)

Continua após a publicidade

A REPRESSÃO ÀS MULHERES NO IRÃ

A lei iraniana diz que as mulheres devem usar o hijab cobrindo todo o cabelo e o pescoço. Além disso, não é permitido a elas usarem roupas curtas, acima dos joelhos, nem calças apertadas ou jeans destroyed. Cabe à Gasht-e Ershad, Patrulha de Orientação, fiscalizar o cumprimentos dessas regras de vestimenta no país.

A onda de protestos ganhou força no mundo todo e, na última sexta-feira (23), um grupo de iranianos organizou uma manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo. Os manifestantes ecoaram gritos de “abaixo à Ditadura” e “liberdade no Irã”.

Em agosto de 2021, a CAPRICHO entrevistou algumas muçulmanas que moram no Brasil e falaram sobre as polêmicas envolvendo o uso do hijab.

Manifestantes se reúnem em Bruxelas contra o uso compulsório do hijab
Manifestantes se reúnem em Bruxelas contra o uso compulsório do hijab Thierry Monasse/Getty Images

Elas explicaram que o uso do véu e suas variações é um dever da mulher segundo a religião Islâmica e uma forma delas demonstrarem submissão a Deus. Contudo, a mulher deveria ter o livro arbítrio para escolher se deseja ou não usar a peça e demonstrar essa submissão.

“O uso do hijab é religioso quando parte da vontade da mulher. Agora, quando se trata de obrigar a mulher a usá-lo, a questão se torna política“, afirma Carima Orra, empresária, educadora e influenciadora digital de São Paulo

Mariam Chami, empresária, nutricionista e criadora de conteúdo que vive entre São Paulo e Santa Catarina, ainda esclarece que o Talibã vai de total desencontro com o Islã e contra os direitos das mulheres. “Elas têm que ter a liberdade de exercer a religião da maneira que elas quiserem, viver da maneira que querem. Na verdade, todo ser humano merece respeito e liberdade”, opina.

Por isso, é muito importante não enxergar essa questão toda com um olhar ocidentalizado, que pode ser bastante problemático e carregado de preconceitos, e entender que os protestos que estão ocorrendo no Irã e em outras partes do globo são contra a opressão e a favor da liberdade de escolha das mulheres, não simplesmente contra o uso do hijab em si. É sobre, mais uma vez, o controle dos corpos femininos e o machismo estrutural que mata diariamente mulheres em todo o mundo e especialmente em lugares onde a repressão ao feminino é ainda mais latente.

Continua após a publicidade

Publicidade