Blogueira denuncia estupro em festa: “Minha virgindade foi roubada”

Mariana Ferrer conta ter sido dopada e estuprada por um desconhecido em um clube no qual ela era embaixadora

Por Amanda Oliveira - Atualizado em 22 Maio 2020, 10h55 - Publicado em 21 Maio 2019, 14h00

Nesta segunda-feira, 20, a blogueira Mariana Ferrer usou seu Instagram para desabafar sobre uma violência que sofreu em dezembro do ano passado, durante uma festa em Florianópolis, Santa Catarina. No relato, ela conta que estava como embaixadora em um clube quando foi dopada e estuprada por um estranho. Mariana disse que chegou a pedir ajuda para as pessoas que estavam com ela naquela noite, mas ninguém a ajudou.

Reprodução/Instagram

Minha virgindade foi roubada de mim junto com meus sonhos. Fui dopada e estuprada por um estranho em um Beach Club dito seguro e bem conceituado da cidade, onde eu era embaixadora e pensava se tratar de um local idôneo”, começa o depoimento. Ela afirma não ter lembranças do agressor, mas sabe que foi levada para um lugar desconhecido por ela e por outras pessoas que costumam frequentar o local. Segundo a polícia, era uma área privada que só os proprietários ou convidados que pagam caro possuem acesso.

No Instagram Stories, Mariana compartilhou prints de conversas com duas pessoas que estavam com ela na noite da violência. Nas imagens, é possível ver que a blogueira está claramente desorientada com as palavras por volta das 23h e pede que a tirem de lá, mas nenhuma das duas dá atenção para o pedido de socorro. “Uma eu considerava minha amiga (…) No depoimento, ela diz que eu tive um momento de euforia e depois passei mal e que foi preciso me dar água. Questiono em minha cabeça, por que você não ligou para emergência ou para minha mãe? Por que me deixou sozinha para que alguém pudesse me fazer mal? Por que, quando pedi socorro, você teve a frieza de não me ajudar e nunca fez uma ligação para saber se eu estava viva?“, Mariana diz. Segundo ela, essa amiga a deixou sozinha com dois homens mais velhos desconhecidos.

Apesar de ninguém tê-la ajudado em momento algum, Mariana conseguiu chegar em casa. “Minha mãe ao ver meu estado, tirou minhas roupas e se deparou com a pior cena da vida dela, minhas roupas estavam cheias de sangue e odor forte de esperma(…) O estrago foi grande, físico e emocional. Danos psicológicos que infelizmente só quem também é a vítima pode mensurar“, ela lembra.

Continua após a publicidade

Mariana tem todas as provas necessárias e guardou as roupas manchadas, mas as investigações da justiça catarinense não estão facilitando o processo. “Tenho pesadelos horríveis que me fazem dormir só depois do dia clarear, sentia dores fortes pra urinar, dores no corpo, entre as coxas. Em contrapartida, vejo a polícia civil empenhada em proteger apenas o criminoso e o local do crime por se tratar de pessoas de ‘poder e dinheiro’. Aonde está o apoio devido à vítima e sua família, que são devastadas por tamanha crueldade?“, ela critica.

Segundo ela, os depoimentos que ela deu foram deturpados, a data de nascimento dela está errada e os laudos foram manipulados. As filmagens das câmeras de segurança das áreas comuns do local também não foram fornecidas. “A sensação é de estar em um filme de terror(…) Estou horrorizada com a justiça de Florianópolis e em como eles se empenham em encobrir crimes e passar uma falsa imagem da cidade”, diz.

Confira o relato completo da jovem:

https://www.instagram.com/p/Bxs8KWBFzzy/

Continua após a publicidade

Após o desabafo, Mariana recebeu o apoio de influenciadores e artistas, além de comentários de advogadas dispostas a ajudar no processo de investigação. “Não é fácil ter que ser ainda mais exposta, mas eu preciso de justiça“, disse.

Você não está sozinha, Mariana. Que a justiça seja feita o mais rápido possível! #NãoÉSuaCulpa

Publicidade