Beatriz Ferreira conta como é cursar o Senior Year nos EUA: ‘cena de filme!’

Sabe 'High School Musical - Ano da Formatura'? Foi tipo isso, só que melhor: foi real!

Por Da Redação - Atualizado em 28 jul 2016, 17h46 - Publicado em 16 jul 2015, 19h29

Foram exatos dez meses de muito aprendizado em Decatur, vila localizada no interior de Michigan, casa da Beatriz Ferreira durante o seu intercâmbio nos Estados Unidos. “Fechei a viagem um ano e meio antes da data de embarque. Minha mãe me incentivou desde o começo, mas meu pai foi mais difícil de convencer. Depois de muita insistência, e de mostrar para o meus pais diversos estudos comprovando que pessoas mais novas aprendem outros idiomas com mais facilidade (risos), arrumei minha mala e parti em busca do meu sonho”, conta Bia, que ganhou a viagem como presente de 15 anos .

A paulistana ficou hospedada em uma casa de família e precisou se adaptar à rotina da hostfamily . “Eu entrava no colégio às 7h50. As aulas iam até às 15h10 e depois eu ia direto para o meu treino de vôlei. Isso foi no primeiro semestre. No segundo, comecei a fazer atletismo e um curso de design gráfico. Ah! E toda a quarta à noite eu ia para a igreja”, conta a intercambista, que voltou dos EUA em junho.

No primeiro dia de aula, Bia estava uma pilha de nervos! “Era pânico misturado com cansaço, pois não tinha conseguido dormir direito por conta da ansiedade”, lembra. No fim, deu tudo certo! Quer dizer, quase tudo. “Aqueles lockers, os famosos armários das escolas norte-americanas, me tiravam do sério! Eles eram difíceis de abrir e o intervalo entre as aulas eram curtíssimos! Não tinha paciência”, brinca Beatriz, que conta ainda que o H igh School era dividido em grupinhos, exatamente como vemos nos filmes: “tinha a turma das meninas e dos meninos dos times titulares da escola, o pessoal da banda, que eram os mais geeks, a galera que curtia country (tipo a turma do sertanejo, no Brasil), os roqueiros e os mexicanos. Nossa, tem muito mexicano em Michigan, mesmo o estado sendo longe da fronteira. Mas foi bom, porque consegui praticar meu espanhol também”.

Beatriz garante que o prom (baile de formatura) é como nos cinemas e até rola aquela típica cena dos formandos jogando o capelo (chapéu de formatura) para o alto na graduação. “Tivemos três festas no senior year (último ano do colegial), mas a última foi a melhor de todas: o tão esperado baile de formatura ! Foi ‘A’ festa! Antes dela, rolou a colação de grau. Cena de filme! Foi muito legal e emocionante!”.

“Comprei meu vestido de formatura em Kalamazoo, uma cidade que fica a trinta minutos de Decatur. Fui com a minha irmã de coração e tirei o dia só para isso! Acabei encontrando esse vestido branco na loja Macy’s. Era o único que tinha e serviu direitinho em mim. Muita sorte!”, lembra.

O intercâmbio foi decisivo para o amadurecimento da Beatriz, que garante que mudou em todos os sentidos depois de cursar o terceirão nos Estados Unidos. Aliás, para que ela pudesse validar suas notas no Brasil, precisou cursar cinco matérias obrigatórias : matemática, inglês, uma matéria relacionada a ciências, uma na áera das ciências sociais e um esporte. ” Aprendi a ter minha própria opinião, a me virar sozinha e a não depender 100% dos meus pais . Com a viagem, eu também perdi a enorme timidez que tinha, descobri inúmeras culturas, fiz vários amigos e percebi que o mundo não gira em torno do meu umbigo”.

Continua após a publicidade

A amizade foi o ponto alto da experiência de High School, apesar de a galera do terceirão da Decatur High School, escola onde estudou, ser bem mais fechada do que a turma da escola em que estudava no Brasil. “Aqui, somos mais unidos. A melhor pessoa que conheci por lá foi a Mônica, uma menina da Guatemala que se transformou em minha melhor amiga. Ela me ajudava muito com o espanhol e eu a ajudava com o português. (risos) Ela é um amor e até hoje conversamos pelo Facebook”, conta.

Bia afirma que a experiência de cursar o tão famoso e cobiçado S enior Year nos Estados Unidos é indescritível! E para quem está planejando o seu intercâmbio, mesmo que, por enquanto, apenas em sonho, a estudante dá cinco dicas :

#1: não vá pensando apenas em meninos, festas e popularidade. Cursar o High School nos EUA é realmente coisa de cinema, mas os filmes sempre aumentam um pouquinho, né?

#2: tenha a mente aberta e muita paciência. Os primeiros dias de adaptação são difícieis e você vai sentir saudades dos seus pais e da galera do Brasil. Calma, quando você menos perceber, já vai estar querendo prorrogar seu intertcâmbio.

#3: coma tudo que sentir vontade e não ligue para os quilinhos extras que você pode ganhar. Quando voltar, você perde!

#4: não gaste todo o seu dinheiro em coisas materiais. É claro que uma coisinha ou outra você vai comprar, mas priorize as lembranças sentimentais e as fotos. Tire muitas!

#5: aproveite cada segundo! Vai ser a melhor experiência da sua vida, com toda certeza. Faça seu sonho virar realidade! 😉

Continua após a publicidade
Publicidade