Alunos protestam ao som de MC João contra crise no RJ

Teatro pela democracia! Estudantes do Martins Penna fazem versão de 'Baile de Favela' para protestar contra crise educacional no Rio.

Por Isabella Otto Atualizado em 1 ago 2017, 11h25 - Publicado em 6 abr 2016, 13h10

É fato que o Brasil está passando por um momento de crise politica, econômica e social. Mas o nosso país é muuuito grande, e a crise não está apenas localizada nas grandes cidades, como São Paulo, ou na capital, Brasília. Por isso, nada melhor do que conversar com quem está, literalmente, no meio da crise para entender o que está acontecendo em casa lugarzinho desse Brasilzão.

Reprodução/Reprodução

Tayara Maciel, de 21 anos, está no terceiro semestre do curso de teatro da Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna, no Rio de Janeiro. Ela esteve presente no ato que aconteceu em março, na escadaria da ALERJ (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), e bombou na internet! Ao som de Baile de Favela, do MC João, os alunos se juntaram aos professores de interpretação, e uniram corpo, música, canto, produção e figurino para montar a performance O Julgamento do PeSão, com uma versão politização do hit do funkeiro. No ato, que viralizou na web, os alunos estavam de preto, com narizes de palhaço e com pequenas cruzes na cabeça, que simbolizavam o luto deles por esse momento de crise no estado do Rio – e em todo país. A morte da nossa confiança e esperança em nossos representantes.

Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, tem sido criticado por sua gestão, não só pela população, mas por outros representantes do Governo. Mas por que os estudantes decidiram protestar? Tayara explica: “As escolas estaduais do Rio de Janeiro estão em péssimas condições. Os servidores não estão recebendo há meses, as salas estão com goteiras, não tem ar condicionado, não tem professores, não tem merenda. Além disso, temos direito ao RioCard, um cartão para os estudantes usarem e se isentarem do transporte público para chegaram até a escola, mas até isso estão cortando”, lamenta.

Com a crise no sistema de educação, as greves das instituições estaduais não demoraram a acontecer. “Os contratos estão acabando, todo mundo está desempregado. Estamos vivendo um período de superfaturamento das obras das Olimpíadas 2016, que vão acontecer no Rio. Hospitais estão sendo privatizados. Um horror!”, preocupa-se a estudante. “É importante frisar que estamos lutando junto com servidores e demais órgãos estaduais contra a falta de comprometimento com o que é público. Alguns sites disseram que somos contra o Governo Dilma e misturaram o intuito das nossas intervenções artísticas, que é chamar a atenção para o estado precário da educação no Rio, com as manifestações que estão acontecendo em São Paulo e em algumas cidades do Brasil e do mundo”, explica Tayara. “Como escola de teatro, somos a favor da democracia, apenas”, garante a estudante.

Continua após a publicidade

O vídeo abaixo mostra outra parte da intervenção artística intitulada O Julgamento do PeSão, em que os estudantes listam os dez mandamentos para a política do bem. Confira:

Tayara Maciel afirma que novos atos públicos estão sendo organizados pelos estudantes em parceria com os professores de teatro, para que as pessoas se envolvam e saibam o que está acontecendo dentro das instituições de ensino estaduais do Rio de Janeiro. “Não temos data para acabar”, afirma.

Para acompanhar as intervenções do grupo de teatro carioca, você pode curtir a página do movimento Martins Sem Pena no Facebook. Fazendo arte para um mundo melhor!

Continua após a publicidade
Publicidade