9 dicas para você turbinar o seu curso de idiomas

Falar outros idiomas é a chave para o sucesso e para transformar sonhos em realidade.

Por Isabella Otto Atualizado em 17 ago 2016, 16h06 - Publicado em 28 abr 2015, 13h50

Para você ter o mundo na palma das mãos, é preciso muito mais que dinheiro: é preciso falar outro (ou outros!) idioma(s). De acordo com uma pesquisa realizada pelo Portal RH, responsável por realizar uma série de estudos relacionados a vida profissional, depois do inglês, o espanhol e o francês são os idiomas mais procurados pelos brasileiros. Mas não importa a opção de curso escolhida: aprender uma nova língua nem sempre é fácil. Por isso, conversamos com o Prof. Elvio Peralta, Diretor Superintendente da Fundação Fisk, e elaboramos uma lista para você turbinar o seu “Projeto Poliglota” e ficar assim, oh: com o mundo inteirinho na palma das mãos! 😉

1. A aula deve continuar em casa

Não adianta se dedicar em classe e não estudar nada em casa. Uma dica boa é nunca deixar as matérias se acumularem. Tente estudar a última aula na mesma semana em que ela foi dada. Dessa forma, você fixa mais facilmente o conteúdo e mantém o cronograma de estudos organizado. O ideal é utilizar, além dos livros do curso, recursos diversificados, como áudio, computador, vídeos e aplicativos.

2. Pesquisar o seu futuro destino é essencial

Mesmo que o intercâmbio seja apenas um sonho distante, começar a pesquisar sobre o país, suas principais cidades, seus costumes e pontos turísticos ajuda a te manter motivada. Além disso, essas pesquisas te inserem, mesmo que aos pouquinhos, no universo em que você estuda em sala de aula. O ideal é que você realize pesquisas sobre os aspectos culturais e as curiosidades dos diversos países da língua. Dessa forma, o conteúdo se torna mais relevante e, consequentemente, mais bem assimilado.

3. Aprender brincando parece clichê, mas funciona

Games, dramatizações e aulas práticas são ótimas maneiras de deixar o curso mais divertido e eficaz. Quando você aprende em grupo, você simula situações do dia a dia e treina o cérebro para pensar rápido. Em casa, se você não tiver alguém com quem treinar, pode assistir a vídeos no YouTube, ver filmes sem legenda, decorar letras de músicas e assistir a entrevistas de pessoas (dos seus ídolos, por exemplo) para sentir-se mais familiarizada com o idioma e adquirir vocabulário.

4. Trabalhar em equipe ajuda a fixar o conteúdo

Ao estimular o raciocínio rápido, para encontrar perguntas e respostas durante um diálogo, você deixa a decoreba de lado e aprende na prática. Isso estimula o cérebro, motiva a interatividade e auxilia o aluno a relaxar e perder o medo de cometer erros. Aprender na prática é a saída e você não precisa fazer um intercâmbio para isso.

Continua após a publicidade

5. Tomar cuidado com os falsos cognatos e com as exceções

Depois do inglês, o espanhol é o idioma mais procurado nas escolas de idioma e os famosos ?falsos amigos? também estão presentes. A esta regra, não se aplica nenhuma exceção: toda língua tem as suas “pegadinhas”. Algumas regrinhas precisam, sim, ser aprendidas. Abstenha-se a elas. Aos poucos, você vai se familiarizando com as outras. Aqui, o mecanismo é o mesmo de quando estamos aprendendo um novo idioma do zero: paciência, dedicação e muitos erros. Afinal, é errando que também se aprende. Use fichinhas, aplicativos, resumos, listas e post-it para ajudar a fixar os falsos cognatos à mente.

6. Treinar escrevendo textos e redações

Traduzir textos é uma boa para ganhar vocabulário, assim como ler páginas aleatórias do dicionário, mas não é a maneira mais natural de se fixar um conteúdo na cabeça. Para estimular o cérebro, tente escrever um texto curto ou até mesmo uma redação ao término de cada lição. Consultar o dicionário com uma finalidade é diferente do que consultá-lo aleatoriamente.

7. Praticar diariamente é uma ótima forma de se acostumar com o idioma

Quando estiver andando na rua, leia mentalmente os números das casas para praticar o novo idioma. Em casa, retome algumas palavras do vocabulário aprendidas em classe, como o nome de comidas, objetos… Aprender o que você aprendeu para a família também é uma ótima forma de assimilar o conteúdo.

8. Ler livros infantis e com ilustrações

Aprender um idioma do zero é passar novamente por todo o processo de alfabetização. Não adianta querer ganhar o mundo logo nos primeiros meses. O processo leva tempo. Para você se estimular a não desistir, e para se sentir um tantinho mais poliglota, aposte em livrinhos infantis, de leitura fácil. Afinal, lá na educação infantil, sua alfabetização começou dessa forma, não é mesmo? Pegar um livro escrito no idioma original, como, por exemplo, aquela sua saga favorita, também é um ótimo treino. O fato de você já conhecer a história facilita bastante.

9. Deixar o medo de errar em casa

Esse item, provavelmente, é o mais importante de toda a lista! O medo de errar e a insegurança de pronunciar uma palavra errada faz a gente se sentir presa e não conseguir mergulhar de cabeça no novo idioma. Relaxa. Aproveite para errar na sala de aula, onde isso pode acontecer sem problemas. Não tenha medo de arriscar nem vergonha de treinar com os colegas de curso.

Continua após a publicidade
Publicidade