8 lições de vida que aprendemos com os personagens de The 100

Quem diria que jovens adolescentes aprendendo a viver no pós-apocalipse teriam tanto para ensinar! Alguém aí é fã?

Por Amanda Oliveira - 30 set 2017, 15h13

Alguém aí é fã de séries pós-apocalípticas? Transmitida pela Warner desde 2014 e inspirada nos livros de Kass Morgan, The 100 está chegando na sua quinta temporada e já nos deixou muitas lições importantes até então.

Warner/Reprodução

Para quem ainda não conhece, a história começa apresentando uma população de uma estação espacial chamada Arca, porque o mundo em solo firme foi destruído pelo Apocalipse há muito tempo. Mas, com a ameaça da falta de oxigênio e suprimentos no espaço, os líderes da Arca decidem enviar 100 adolescentes, que estavam presos por terem cometido crimes, para verificarem se a Terra está habitável novamente. Agora, você consegue imaginar quantas coisas podem dar errado quando jovens criminosos são praticamente obrigados a se virarem sozinhos em um lugar desconhecido?

Dentro disso, nós listamos algumas lições importantes que The 100 traz à tona:

1. Mulheres podem (e devem) ocupar posições de liderança
Se tem uma coisa que sempre se destaca quando o assunto é The 100, com certeza é o grande empoderamento feminino. Os maiores exemplos de força e bravura da série são mulheres, como a guerreira Octavia (Marie Avgeropoulos), a líder Clarke (Eliza Taylor), a engenheira mecânica Raven (Lindsey Morgan) e a chefe de batalha Indra (Adina Porter), além de muitas outras personagens incrivelmente badass.

Reprodução/Reprodução

2. Respeite as diversas orientações sexuais
Para quem não sabe, Clarke é a primeira protagonista assumidamente bissexual das séries da emissora CW. Ela se envolve amorosamente com um homem logo na primeira temporada, mas nas temporadas seguintes também divide cenas românticas com mais duas mulheres. O melhor de tudo é que ninguém a questiona sobre isso em momento algum (como deveria acontecer no nosso mundo também). Representatividade é bom e a gente gosta!

Reprodução/Reprodução

3. Valorize os laços familiares
É praticamente impossível ver The 100 e não se apaixonar pela família Blake, certo? O Bellamy (Bob Morley) é bastante caracterizado por fazer absolutamente tudo para garantir a segurança da Octavia, sua irmã mais nova. Como bons irmãos, a relação deles passa por conflitos algumas vezes, mas não há como negar que os dois sempre arrasam quando estão juntos em cena.

Continua após a publicidade

4. Fortaleça laços com quem não tem o mesmo sangue que você
Quando você está lutando para sobreviver o tempo todo, é muito importante ter algo – ou alguém – para se segurar firme no chão, como a amizade do Monty (Christopher Larkin) e do Jasper (Devon Bostick). É nessas horas que a gente se aproxima ainda mais um do outro, do jeito mais sincero possível.

5. Procure sempre evoluir
Os principais personagens da série começaram suas cenas sendo apenas jovens delinquentes, mas logo cresceram e se tornaram verdadeiros guerreiros. Afinal, foram tantas batalhas e perdas que todos os aprendizados e experiências os fizeram amadurecer bastante. Uma coisa bem próxima da nossa vida real, né?

6. Às vezes, não existem mocinhos
Sabe quando, em alguns momentos, você sente que precisa fazer sacrifícios para um bem maior? Isso não significa que você esteja errado. Uma outra lição que The 100 nos ensinou é que nem sempre precisa haver mocinhos para servir de exemplo. Todos nós somos seres humanos e cometemos alguns erros quando estamos tentando acertar. O importante é tentar, certo?

7. Sempre há tempo para você mudar para melhor
Alguns personagens começaram a série andando no caminho errado, como Murphy (Richard Harmon), Kane (Henry Ian Cusick) e até mesmo o próprio Bellamy, um dos protagonistas. Viver em meio ao caos da sobrevivência, de certa forma, ajudou algumas pessoas a “acordarem” para a realidade e mudarem seus comportamentos.

Continua após a publicidade

8. A união costuma mesmo fazer a força
É aquele ditado: ninguém sobrevive nesse mundo sozinho, né? Isso vale para o cenário de The 100 e nosso mundo real, também!

Reprodução/Reprodução

 

Publicidade