Escola orienta garoto a não usar batom e alunos se mobilizam

Como forma de protesto, os estudantes foram para a escola com os lábios pintados

Na última quarta-feira (31/5), o estudante Diego Archanjo, de 17 anos, foi ao Facebook relatar uma situação que o incomodou. “Hoje eu fui chamado na coordenação da minha escola e orientado a não usar mais batom”, disse. O colégio em questão é o Sistema de Ensino Elite de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Os outros alunos não gostaram da história e resolveram protestar: eles se mobilizaram (inclusive em outras unidades da rede) e, nesta quinta-feira (1/6), foram para a aula usando batom.

Foto (Reprodução/Twitter)

No post, Diego afirma que a coordenadora disse que recebeu uma reclamação e que aquela conversa era para que ele evitasse sofrer preconceito por parte de seus colegas de escola e das pessoas na rua. Ok, a intenção pode até ter sido boa, mas como o próprio garoto questiona: por que ele, que é a vítima, deve se comportar de um modo que não “atraia” preconceito? Afinal, o problema não está nele, e sim na intolerância de certas pessoas, né?

A campanha dos estudantes ganhou a hashtag #BatomPodeHomofobiaNÃO e foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter. Alunos de todos os gêneros se uniram e mostraram como a voz deles pode ser poderosa! Olha só algumas das fotos da galera!

Tempos depois, Diego também foi ao Twitter falar mais uma vez sobre o assunto. No vídeo, ele diz que a coordenadora não foi homofóbica e apenas se preocupou com ele. Em seguida, agradeceu o apoio dos colegas: “Eu não sei se vocês estão entendendo a proporção da coisa, mas vocês começaram uma revolução. Vocês são demais!”

A escola também se manifestou nas redes sociais:

ATUALIZAÇÃO
O Sistema Elite de Ensino enviou o seguinte posicionamento à CH:

“O Sistema Elite de Ensino esclarece que já apurou internamente o mal entendido ocorrido com um aluno em uma de suas unidades. Conforme esclarecido pelo próprio aluno em um vídeo nas redes sociais, em nenhum momento houve atitude discriminatória da escola. Os princípios e valores do Elite, nos quais se embasa não só nossa proposta educativa mas também inspiram nossos modos de ser escola e nossos educadores, preza pelo acolhimento à diversidade e respeito ao ser humano. ‘O batom é livre para todos’!”

É isso aí! Que cada vez mais pessoas lutem por um mundo com mais liberdade e menos opressão!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Deborah Torres

    palhaçada , essa é a revolução da geração mimizenta usar batom affs
    enquanto so gays q são decapitados , jogados de alto dos prédios em paises islâmicos ??? quero ver se lá tem essa ´´revolução ´´

    Curtir

    1. Deborah, em todos os posts eu vejo você reclamar da “sociedade mimizenta”. Já vi outras pessoas falando que a CAPRICHO é muito parcial nas matérias também. Por que você não começa a acompanhar um blog que va de acordo com a sua opinião?

      Curtir

      1. Oi Laura!

        Falar do “mi mi mi” virou a modinha do momento. O que essa jovem aí não percebe, é que “fazer a crítica” que fez não passa da maneira que ela mesma encontra de fazer o seu próprio “mi mi mi”.

        Não só concordo com você como te parabenizo pela percepção de que o Mundo que a gente Deseja só pode ser construído quando nos ocuparmos em ser construtivos (“acompanhar um Blog de que vá de acordo com a sua opinião”) =).

        Sem essa percepção e ação nunca alcançaremos o respeito às diferenças sem o qual uma sociedade Democrática se torna possível. Ela tem todo o direito de ter uma opinião, mas ainda não caiu a ficha nela de que essa opinião deve promover melhoras e não ser fruto de uma crítica vazia e improdutiva.

        Curtir