Depilação a laser: o que é, como funciona e todo mundo pode fazer?

Respondemos essas e outras dúvidas sobre o tema. Confira!

Por Da Redação Atualizado em 8 fev 2021, 14h05 - Publicado em 7 fev 2021, 10h01

Você já ouviu falar em depilação a laser? Abaixo, tiramos as principais dúvidas sobre a técnica de remoção de pelos. Confira!

O que é a depilação a laser?

Considerada um método definitivo de eliminação dos pelos, ela é feita com a utilização do laser para cauteriza a raiz do pelo, eliminando assim o crescimento dele.

Como funciona a técnica?

Existem diferentes tipos de laser atualmente no mercado, como versões com afinidade por melanina ou por hemoglobina, por exemplo, e cada um atua para cauterizar a raiz do pelo e evitar que ele cresça novamente. Para que o tratamento seja efetivo, é preciso que o pelo esteja na chamada “fase ideal de crescimento”, o que será orientado pelos profissionais indicados e ditará o espaçamento entre as sessões.

Sempre antes de iniciar o método, é necessário passar por uma avaliação para garantir que o tratamento será efetivo naquele tipo de pelo e se a pessoa tem condições de passar por ele. Quando iniciada a depilação a laser, não se pode mais extrair o pelo pela raiz, pois é justamente nela que a luz irá atuar. Por tanto, durante o período entre as sessões é necessário que o paciente use apenas métodos de depilação que cortem a haste ao invés de arrancá-la.

A sessão do laser é rápida e dura apenas alguns minutos a depender das áreas em que ele será aplicado. Ao final, o cliente ainda sairá com os pelos que, queimadinhos pela luz, irão cair naturalmente com o passar dos dias.

Dói?

Com o avanço da tecnologia, muitos lasers hoje já possuem engenharias que ajudam no alívio da dor, como um sistema de resfriamento que antecede o disparo da luz, causando um efeito analgésico, por exemplo. Mas é claro que a resposta de cada pessoa será diferente em relação a sensação sentida durante as sessões.

Continua após a publicidade

Pessoas de pele negra podem fazer a depilação a laser?

Antigamente, os lasers que funcionavam atraídos pela melanina eram a grande maioria e não podiam ser usados na pele negra, pois poderiam acabar gerando queimaduras e manchas. Porém, hoje, já é possível encontrar lasers que podem ser usados na pele negra, como as versões que tem afinidade por hemoglobina, por exemplo.

Quem não pode fazer o laser?

Os pelos brancos, ruivos ou loiros não conseguem ser identificados pelo laser e, por conta disso, são contraindicados para o tratamento. Durante a gestação o laser deve ser evitado, assim como para pessoas que iniciarem o uso da isotretinoína, popularmente conhecida como roacutan, ou que tiverem alguma doença de pele que possa ser afetada pelo laser.

Como deve ser a preparação antes e durante as sessões?

É indicado que durante o tratamento o paciente mantenha a pele hidratada para garantir que sua barreira de proteção esteja saudável. Dessa forma, a pele refletirá melhor a luz do laser ao invés de absorvê-la, o que está ligado à segurança do procedimento. Outro benefício da hidratação em dia é que a pele não absorverá o calor do laser em grande quantidade, o que poderia causar desconforto.

O cuidado com a exposição solar também é muito importante durante o tratamento. É indicado que o paciente fique, em média, 30 dias sem tomar sol antes da sessão e, após a aplicação, sete dias. Se a região tratada não estiver exposta aos raios solares, então não existe essa contraindicação.

Quem deu as informações: Bárbara Medeiros, dermatologista na clínica First, em São Paulo, e Carolina Cury, fisioterapeuta dermatofuncional e gerente geral de treinamentos na Espaçolaser.

Continua após a publicidade
Publicidade