Devemos falar sobre a jovem estuprada por 30 caras no ‘país das Olimpíadas’

Crime aconteceu durante baile em comunidade do Rio de Janeiro - mas muita gente não ficou sabendo.

Na última sexta-feira, uma atrocidade aconteceu durante um baile no Morro São João, em Praça Seca, comunidade localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Uma garota de 16 anos foi vítima de um estupro coletivo. Enquanto estava claramente dopada, 33 caras abusaram sexualmente da jovem, tiraram fotos e filmaram o crime. O vídeo acabou sendo publicado por alguém nas redes sociais e rapidamente se tornou um viral.  

A gravação acabou chegando até a família da adolescente, que ficou transtornada. “O vídeo é chocante, eu assisti. Ela está completamente desligada”, afirmou a avó da vítima em entrevista à rádio CBN. O pai também comentou o caso: “Prenderam ela lá e fizeram essa covardia. Bagunçaram minha filha. Quase a mataram. Estava gemendo de dor. Ficou tão traumatizada que só conseguia chorar”. O crime foi denunciado ao Ministério Público e à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática do RJ, e as investigações foram iniciadas. O conteúdo íntimo compartilhado nas redes foi apagado, assim como o perfil de quem publicou. Até o momento, quatro suspeitos foram localizados.

Na manhã da última quinta-feira, 26, a adolescente realizou alguns exames em um hospital do Rio. O caso, apesar de estar sendo noticiado na internet e no rádio, não vem ganhando o destaque que merece na televisão. Para muitos, a explicação mais óbvia é que o crime não tem espaço em meio a tantas notícias sobre as Olimpíadas de 2016. É preciso abafar para não criar mais crise. Maynara Fanucci, criadora da página do Facebook Empodere Duas Mulheres, gravou um vídeo comentando os últimos acontecimentos ocorridos no estado sede dos jogos olímpicos:

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fempodereduasmulheres%2Fvideos%2F1086847051389282%2F&show_text=0&width=560

Outro fato que vem chamando a atenção de algumas internautas – se é que toda essa história pode ficar ainda pior -, é que a indignação maior está vindo por parte das mulheres, enquanto a maioria dos homens permanece calada. “Todas as mulheres que encontrei hoje falaram do ocorrido. Nenhum homem”, desabafou uma usuária do Facebook. 

É claro que para muitos a atrocidade, a covardia, o machismo, o crime, tem uma explicação: o comportamento da garota. “Ela deve ter se oferecido” e “Procurou indo a um baile funk” são alguns comentários que vemos e ouvimos. Muitos, inclusive, debocham do acontecimento, como este usuário do Twitter:

Para lutar contra essa cultura do estupro que insiste em culpar a vítima, internautas e páginas feministas se uniram:

Uma das imagens mais compartilhadas a respeito do estupro coletivo foi a ilustração de Ribs, um cientista político e ilustrador que aproveitou o feriado religioso de Corpus Christi para se manifestar contra o crime sexual ocorrido no Rio de Janeiro.

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fmatheusribsoficial%2Fposts%2F607990936026580%3A0&width=500

A ativista Luara Colpa também expressou a sua indignação nas redes e publicou um artigo no BHAZ, site regional de Belo Horizonte, intitulado 30 Homens. O texto ressalta a importância de nós, meninas, precisarmos mais do que nunca nos unir. “Trinta e um agora compartilharam. Trinta e dois riram. Trinta e três justificaram. Trinta e quatro se excitaram, trinta e cinco procuram o vídeo neste momento(…) No entanto, quando pensei que fôssemos só nós duas, olhei para o lado e vi três, quatro, cinco. Chegaram seis, sete, oito, trinta. Em segundos fomos noventa, cem, mil, somos milhares por você”.

Cabe a nós explicar para as pessoas que ainda contribuem para a cultura do estupro como elas estão erradas, fazer esses crimes virem à tona, para que cada vez mais crimonosos sejam responsabilizados, e denunciar todo e qualquer ato de violência contra a mulher no telefone 180. A denúncia é anônima. 

Não podemos nos calar – e não podemos ser caladas. Pela jovem de 16 anos e por todas nós.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s