Blog da Galera: o que é o projeto Periferia Inventando Moda?

Taya Nicaccio, Galera CH, entrevistou Alex Santos, o idealizador do projeto PIM.

Por Da Redação - 29 abr 2019, 17h00

Oi, meninas! Tudo bem com vocês? Aqui quem fala é a Tayane (Taya). Como modelo e estudante de Moda, estou sempre em busca de novas inspirações e recentemente entrevistei uma pessoa que eu admiro muito. Conheçam agora o Alex Santos, estilista e idealizador do PIM (Periferia Inventando Moda). Confira a entrevista:

Esse é o Alex Santos. Lusca Santana/Reprodução

Tayane: O que é o Projeto Pim? E como surgiu?
Alex:
O PIM é uma iniciativa voluntária que conta com o apoio de pessoas que acreditam no poder transformador da moda e da beleza, que vem mudando a vida de jovens da periferia de São Paulo através da capacitação profissional, do empoderamento e da autoestima. Foi fundado em abril de 2014 quando percebemos que, no mundo da moda, faltava espaço para as pessoas que moram nas periferias e que a informação de moda não chegava para este público. O projeto fornece custos na área de modelo, beleza e fotografia de moda.

Tayane: Você sempre quis ser estilista? Me conta como começou a sua carreira na moda.
Alex: Jamais passou pela minha cabeça exercer essa profissão de estilista ou até mesmo trabalhar com moda. Aos 15 anos, eu iniciei minha carreira profissional na área de gastronomia e fiquei nesse ramo durante 4 anos. Foi quando uma agência me procurou e fez um convite para ingressar como modelo, mas infelizmente não deu certo. Depois de um tempo, acabei me interessando muito pelo mundo fashion e comecei a me vestir melhor, me comportar de outra maneira e, claro, descobrindo um mundo totalmente novo e que hoje sou apaixonado.

Em 2012 para 2013, eu me identifiquei como estilista e tive apoio de muitos amigos para dar continuidade nessa área, foi quando procurei um curso de corte e costura que tinha aqui na comunidade de Paraisópolis. Foi um pouco difícil, pois as pessoas ainda têm preconceito e acham que moda ou costura não é algo para “homem”. Fui lutando contra esse preconceito que entrei em um curso onde 99% da turma eram mulheres e eu o único homem. Após o curso ingressei na universidade para dar continuidade a minha formação como estilista e até hoje sigo nesse caminho.

Tayane: Qual foi sua sensação ao desfilar na Casa de Criadores?
Alex: Minha sensação ao desfilar na Casa de Criadores foi indescritível e emocionante, naquele momento eu estava realizando um sonho de 4 anos e sigo realizando por permanecer no segundo maior evento de moda de São Paulo.

Tayane: Sabemos a importância da inclusão na moda. De que forma traz isso ao seu projeto?
Alex: A inclusão na moda é de extrema importância, mas infelizmente no Brasil isso ainda é muito novo. Não são todos os eventos e marcas que aderem a inclusão, pelo contrário, os mesmos colocam como “Cotas”. Dentro do PIM preservamos a inclusão e sempre mostramos que o resgate da autoestima e da essência humana é fundamental para a evolução e melhoria de vida dessas pessoas. Fortalecemos a importante necessidade de tirar a pessoa de uma situação onde ela não encontra a oportunidade e oferecemos para ela o momento de ser protagonista da sua própria história.

Luiz Emman/Reprodução

Tayane: Muitas pessoas acreditam que o mundo da moda é só glamour. Como estilista e modelo, o que você diria?
Alex: Como diz a grande top model Gisele Bündchen “A vida pode ser mágica. Mas para viver bem exige esforço, foco, paciência, compaixão, determinação e disciplina”. O mundo da moda é um mundo de glamour sim, mas infelizmente é um meio que não valoriza marcas periféricas e até mesmo o trabalho de modelo. Ainda temos essa briga pela valorização do trabalho, sem ser mão escrava.

Tayane: Está trabalhando em algo novo? Coleções ou projetos?
Alex: Estou com um trabalho lindo no Ateliê Transex que ocorre na Casa Florescer, uma casa de acolhimento para mulheres Trans. Agora sobre coleções, estou desenvolvendo uma colab para a SKOL, que será desfilada no evento da Roda do Corre. O desfile vai acontecer dia 04 de maio no Capão Redondo, comunidade da Zona Sul de SP.

View this post on Instagram

Casting pesado! Família PIM! Foto: @limayou_

Continua após a publicidade

A post shared by Periferia Inventando Moda (@projetopim) on

Tayane: Qualquer pessoa que tenha interesse em ser modelo, pode fazer parte do projeto?
Alex: O PIM acredita muito no poder transformador das pessoas, como todo projeto social e coletivos, também temos requisitos para entrar no projeto, um deles é que a pessoa seja moradora de alguma periferia de SP. Em julho abriremos inscrições!

Tayane: Que conselho você dá para quem sonha em ser modelo e/ou estilista?
Alex: Acreditem em vocês! Eu acredito em vocês. Jamais desistam do que querem, mesmo que seja difícil, com foco e determinação conseguimos chegar em lugares que jamais pensamos em chegar.

O próximo desfile do Alex acontecerá no dia 4 de maio, no Capão Redondo. As inscrições para o Projeto PIM abrem em julho! Para mais informações, fiquem de olho no @_alx.santos/@projetopim.

Beijinhos da garota do Blog,
@tayanicaccio

Publicidade