Red Hot Chili Peppers inova na setlist do Rock in Rio e desempolga

A banda fez um show repleto de covers e homenagens, mas decepcionou quem foi em busca dos grandes hits

Quem foi ao Rock in Rio 2019 com a intenção de ouvir mais uma vez os ~greatest hits~ do Red Hot Chili Peppers se decepcionou um pouco. É que a banda, que já passou nove vezes pelo Brasil, sendo esta a quarta no festival, decidiu inovar um pouquinho o repertório.

O Red Hot Chili Peppers surpreendeu com setlist ousada no Rock in Rio 2019

O Red Hot Chili Peppers surpreendeu com setlist ousada no Rock in Rio 2019 (Schlaepfer/I Hate Flash)

Tendo tocado no Lollapalooza em São Paulo no ano passado, Anthony Kiedis e companhia deixaram de lado alguns de seus grandes hits e apostaram em covers inusitados e até em uma homenagem a um amigo que já morreu, o que deixou alguns fãs ávidos para ouvir as músicas mais famosas um pouco confusos.

O grupo chegou na Cidade do Rock ao som de um solo de bateria de Chad Smith, que logo virou o hit Can’t Stop, fazendo o público do festival correr para o Palco Mundo e empolgar bem rápido. Em seguida vieram outros hinos, como The Zephyr Song, Dark Necessities, Dani California e Hey.

Acontece que a partir de então algumas ~faixas B~, como I Wanna Be Your Dog, cover dos Stooges, e Just What I Need It, cantada em homenagem a Ric Ocasek, vocalista do Cars e amigo dos caras do RHCP, que morreu no mês passado, desanimaram um pouco a plateia.

Para comemorar o aniversário de 40 anos do guitarrista Josh Klinghoffer, a banda também tocou pela primeira vez ao vivo Sikamikanico, e o próprio aniversariante arrasou mais tarde com sua versão de I Don’t Want To Grow Up, que ficou famosa na voz dos Ramones.

red-hot-chili-peppers-rock-in-rio Red Hot Chili Peppers no Rock in Rio 2019

Red Hot Chili Peppers no Rock in Rio 2019 (Schlaepfer/I Hate Flash)

Apesar da setlist inovadora e original, pouco vista nos shows da banda californiana, muita gente acabou desanimando e aproveitando para deixar a Cidade do Rock antes do fim do show para fugir do fluxo intenso da saída do festival.

Quem ficou teve a chance de ver ainda The Power of Equality ser dedicada à Amazônia e ouvir os sucessos By The Way e Give It Away. Valeu a pena?

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s