Playlist: os Beatles e as suas principais músicas de protesto

"You say you want a revolution, got a real solution, change the constitution."

Protestos, manifestações, pessoas em busca da revolução, da mudança, do novo. Esse discurso parece bastante atual, por conta dos acontecimentos que têm ocorrido no Brasil desde o último ano (protestos a favor do Passe Livre, protestos contra a Copa do Mundo, manifestações em prol do Impeachment de Dilma Rousseff, passeatas a favor das ciclovias, passeatas contra o machismo), mas a verdade é que, desde sempre, o povo sai às ruas para reivindicar os seus direitos.

Tanto é que muitos artistas se inspiram nas tais revoluções para usar a música como forma de protesto, sendo os Beatles são um forte exemplo disso. A playlist de hoje é para ouvir, curtir e aprender! Separamos as oitos principais letras de protesto escritas pelos Fab Four e explicamos o que está escrito em suas entrelinhas (ou nem tão entre assim).

8. Revolution

A letra é sobre os muitos significados da palavra “revolução”. Ela foi escrita como forma de resposta às dezenas de perguntas que os jornalistas faziam aos Beatles, em meados dos anos 60, mais particularmente em 1964, quando os Estados Unidos resolveram entrar oficialmente na Guerra do Vietnã, considerado o mais violento conflito da segunda metade do século XX. Juntamente com a guerra, havia o estopim da revolta estudantil em Paris e o assassinato do líder Martin Luther King. “Eu queria desabafar sobre o que eu pensava das revoluções. Já era hora de falarmos sobre isso e parar de não responder perguntas sobre o que achávamos da guerra vietnamita quando estávamos em turnê”, declarou John Lennon, na época, a revista Rolling Stone.

7. Taxman

“Se você dirigir um carro, vou tributar a rua(…) Se você sentir muito frio, vou tributar o calor. Se você for dar uma caminhada, vou tributar os seus passos”, diz parte do refrão da música escrita por George Harrison, que faz parte do álbum Revolver, de 1966. Na letra, o músico, sempre muito irônico, tira uma onda com a cara do “homem dos impostos” (em inglês, “taxman”). Na época, o Reino Unido sofria com as altíssimas tributações estipuladas pelo governo trabalhista de Harold Wilson. Uma letra dos anos 60, mas que traduz exatamente a realidade. Não?

6. Being for the Benefit of Mr. Kite!

De início, você pode pensar que a canção de Lennon/McCartney fala, simplesmente, sobre um espetáculo circense. Mas esse auê todo, na realidade, é uma crítica às festas da elite burguesa, que mais parecem apresentações de circo, com direito a shows de acrobacias e “cavalos” a dançar valsas. “Está garantido um ótimo espetáculo para todos e, esta noite, o Sr. Kite será o astro principal”. Pegou o trocadilho?

5. Piggies

“Em sua pocilga com todos os seus fundos, eles não se importam com o que está rolando(…) Em todo lugar há muitos porquinhos vivendo a vida porca. Você pode vê-los jantando fora de casa, com suas esposas porquinhas, agarrando garfos e facas para comerem seus bacons”, diz letra da música também escrita por George Harrison que, depois de John Lennon, foi o beatle que mais produziu canções de protesto.

4. Blackbird

O sucesso escrito por Paul McCartney, creditado a dupla Lennon/McCartney, é uma das canções mais famosas do Quarteto de Liverpool. Todo mundo sabe cantá-la! Há quem a cante, contudo, pensando que ela é apenas uma canção romântica, sobre um pássaro da espécie Melro. Salvo engano. O Melro da letra, na verdade, é uma metáfora. Blackbird protesta contra os conflitos raciais na América, principalmente os que aconteceram entre os anos 60 e 70. Nessa época, a segregação aos negros era algo (ainda mais) revoltante. As mulheres negras, por serem a minoria da minoria, sofriam ainda mais! “Pássaro preto, pegue essas asas quebradas e comece a voa”. Liberte-se!

3. Baby You’re a Rich Man

“Você guarda todo o seu dinheiro em uma mala marrom, dentro de um zoológico. Que coisa estranha a se fazer!”. Dinheiro na mala… Hmmm… Essa história não soa familiar?

2. Sexy Sadie

A música faz parte do White Album, lançado em 1968. A composição de John Lennon, creditada a Lennon/McCartney, é inspirada na suposta traição do guru Maharishi Mahesh Yogi, amigo de John, que o fez acreditar na veracidade da sua espiritualidade, mas que, segundo dizem as lendas, só queria dinheiro, fama e mulheres. A letra é um protesto contra a exploração da fé das pessoas.

1. All You Need Is Love

O sucesso foi ao ar, pela primeira vez, no dia 25 de junho de 1967, diretamente dos estúdios da Abbey Road, e trazia uma mensagem de paz aos acontecimentos da Guerra do Vietnã. Afinal, “tudo que você precisa é amor”.

(PS: a playlist não está classificada por ordem de preferência ou importância. A numeração de 1 a 8 é só para facilitar a visualização.)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s