Internautas pressionam e pedem exclusão de Bruno Gagliasso de campanhas

Prefeitura do Rio de Janeiro e banco Itaú se pronunciaram após serem questionados pelo público

Por Da Redação - 6 jul 2018, 12h12
bruno-gagliasso-campanha-contra-homofobia-rio-de-janeiro2
Internautas estão pressionando marcas contra Bruno Gagliasso Instagram/Reprodução

A mesma pressão nas redes sociais que fez com que Júlio Cocielo perdesse campanhas publicitárias agora está sendo voltada contra Bruno Gagliasso, depois que tuítes com teor machista e homofóbico, feitos pelo ator em 2009, foram resgatados pelos internautas. Através de comunicado, a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual, da Prefeitura do Rio de Janeiro, informou que Gagliasso não irá estrelar a campanha Rio Sem Preconceito este ano. Ele foi o garoto propaganda em 2015.

“A Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio), vem a público esclarecer que à campanha contra LGBTfobia que circula na internet, na qual o garoto propaganda é a ator Bruno Gagliasso, foi produzida pela gestão anterior. O ator está sendo acusado de homofobia e lesbofobia por mensagens postadas no Twitter”, dizia o comunicado enviado à imprensa. “A campanha fez parte do show Rio Sem Preconceito, no ano de 2015, em que foram gastos quase 2 milhões de reais para promover a festa. A atual gestão da CEDS Rio descontinuou o show Rio Sem Preconceito para priorizar os trabalhos sociais de apoio aos vulneráveis e, aposta, em militantes e ativistas para trazer visibilidade para a causa LGBTI.”

Prefeitura do Rio de Janeiro/Divulgação

A nota também trazia um parecer do coordenador Municipal de Diversidade Sexual do Rio de Janeiro, Nélio Georgini, que dizia: “Não me colocarei como juiz do ato do ator. Parece ser um cara do bem que errou e, muito menos, da gestão passada, mas só quero lembrar a população carioca que este evento de premiação Rio sem Preconceito custou quase 2 milhões de reais aos cofres públicos. Quanto ao resto, há pessoas mais competentes, como: ativistas e militantes”.

Além disso, o banco Itaú, que já havia dito que não trabalhava mais com Júlio Cocielo, também foi pressionado sobre Bruno Gagliasso. Pelo Twitter, o banco respondeu uma internauta. “O ator citado não faz mais parte das nossas campanhas que estão no ar. Reforçamos que o Itaú repudia toda e qualquer foram de discriminação e preconecito. Esperamos que o respeito à diversidade sempre prevaleça”, dizia o tuíte de resposta do banco.

Continua após a publicidade
Twitter/Reprodução

Na última quinta-feira (5/7), Bruno Gagliasso usou seu perfil no Twitter para comentar os tuítes antigos: “Estou aqui em 2018 respondendo com minhas ações e atitudes por quem já fui também em 2009 e mesmo antes disso. De alguma forma, todos estamos. Não é passando o pano no preconceito, mas sim, passando tudo a limpo, que o mundo vai se tornar um lugar melhor”.

Um dia antes, foi Cocielo que voltou a se pronunciar sobre o tuíte racista contra o jogador francês Mbappé, e também sobre as postagens antigas, resgatadas por internautas.

Publicidade