Lili Reinhart escreve poema emocionante em homenagem a Luke Perry

O ator morreu na segunda-feira (4) após sofrer um grave AVC

Por Bruna Nobrega 5 mar 2019, 15h40

A notícia da morte de Luke Perry, nosso Fred Andrews de Riverdale, deixou todo mundo abalado nessa segunda-feira (5). Várias celebridades prestaram homenagens ao ator pelas redes sociais, inclusive Lili Reinhart, que faz a Betty na série e era bem próxima de Luke.

Pelo Twitter, ela escreveu: “Eu mal consigo achar palavras. Eu estou devastada. Todos nós estamos. Eu estou achando difícil de entender que ele não estará mais por ali para nos dar longos abraços e dividir sua sabedoria e bondade com todos nós. Eu estou pensando na família dele. Seus filhos. Eu rezo para que eles possam sarar e encontrar paz nessa perda devastadora. Eu não consigo acreditar.”

  • Algumas horas mais tarde, a atriz resolveu fazer outra homenagem a Luke através de um poema emocionante que ela postou nos Stories. No texto, ela escreve sobre seguir em frente mesmo quando parece impossível. Dá uma olhada:

    lili-reinhart-poema
    O poema que Lili Reinhart postou no Stories Reprodução/Instagram

    “É estranho ver o mundo seguir em frente.
    Quando alguém que você ama é levado para longe de você.
    E a pequena circunferência te cercando está presa.
    Congelada em um momento.
    De perda.
    E choque.
    Ainda assim as pessoas passando por você estão se movendo à máxima velocidade.
    Eles não sentiram a terra mexer? Ou andar mais devagar?
    Eles podem ouvir os pensamentos gritando na minha cabeça?
    O nome dele.
    A cara dele.
    Memórias.
    Flashes.
    De um amigo.
    Um amigo perdido.
    Nós sempre esperamos que a terra vai ficar firme.
    Para o Universo sentir a perda das pessoas amadas que nós perdemos, junto com nós.
    Mas ele segue em frente.
    Talvez como um sinal de que nós devemos também.
    O movimento de estranhos, como uma onda, nos levando com eles.
    Então nós seguimos o fluxo da passagem dos outros, pegando sua energia e mantendo a nossa própria.
    Porque é muito difícil dar qualquer coisa nesse momento.
    Para qualquer um.
    Exceto para ele.
    Aquele que nós perdemos.
    E eu rezo para que ele esteja silenciosamente se movendo com nós.
    Nos guiando pelas ondas mesmo quando nós não conseguimos nadar.”

    Continua após a publicidade
    Publicidade