Evento no TSE reúne 27 meninas para debater política e eleições de 2022

Jovens de todo o Brasil "representam a potência do ativismo jovem no Brasil", segundo a Girl Up Brasil.

Por Andréa Martinelli Atualizado em 25 jun 2022, 16h18 - Publicado em 23 jun 2022, 19h47
Gil Up
Girl UP/Divulgação

O voto consciente confere a cada cidadã e cidadão o poder de escolha com base no que acredita ser melhor para o país e os jovens tem papel fundamental nesta escolha. Para incentivar este pensamento, o evento “Elas na Política“, realizado pela Girl Up Brasil – iniciativa global para desenvolver lideranças femininas – em parceria com o Instagram e o próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE), levou à Brasília 27 jovens entre 18 e 23 anos de todo o país nesta semana.

Entre debates e palestras, a jovens tiveram a oportunidade de conversar sobre representatividade feminina com a Ministra Cármen Lúcia, do STF (Supremo Tribunal Eleitoral), Ministra Maria Cláudia Bucchianeri, que integra o TSE e Mafoane Odara, líder de recursos humanos para América Latina na Meta.

Carmem Lucia
Girl UP/Divulgação

“O Instagram é uma ferramenta poderosa usada por milhares de mulheres para se conectarem entre si e com as causas que acreditam. Para nós, este evento é uma oportunidade incrível de fomentar a participação de mulheres jovens na política e, principalmente, de garantir que possam ocupar esse espaço na plataforma de maneira segura”, conta Natália Paiva, Head de Políticas Públicas do Instagram para a América Latina.

A ativista pelo direito das mulheres Ana Carolina Lourenço, que é socióloga e co-fundadora do Movimento Mulheres Negras Decidem e as deputadas Margarete Coelho, Tereza Nelma e Rosângela Gomes também falaram às jovens sobre violência contra a mulher na política, feminismo e engajamento cívico.

Continua após a publicidade

As jovens selecionadas “representam a potência do ativismo jovem no Brasil”, segundo a organização. Parte delas integra coletivos regionais que buscam mudar o contexto em que vivem; outras já chegaram a se candidatar a cargos eletivos e já chegaram a participar da elaboração do texto da legislação que garantiu acesso à absorventes descartáveis no país.

“Muita gente diz que meninas são o futuro, mas isso é parte da verdade. Muitas já estão fazendo política hoje, agora. E o levante jovem que vimos em torno do alistamento eleitoral, que foi predominantemente feminino, é um sinal gritante de um desejo de engajamento cívico que já está acontecendo e que este evento vem elevar”, afirma Letícia Bahia, diretora executiva da Girl Up Brasil.

Girl Up Brasília
Girl Up/Divulgação

Aqui na CAPRICHO, a gente já te contou no CH na Eleição que, após a campanha do TSE para que jovens entre 16 e 18 anos emitissem o título de eleitor – que contou com o apoio de celebridades, influenciadores, clubes de futebol, instituições públicas e privadas – deu resultado: entre janeiro e abril deste ano o Brasil ganhou 2.042.817 novos eleitores nesta faixa etária.

O número é um recorde e apresenta aumento de 47,2% em relação ao mesmo período em 2018, ano em que as últimas eleições gerais ocorreram no país. Segundo o TSE, este número ainda é 57,4% maior em relação aos quatro primeiros meses do ano em 2014.

Em março de 2022, 522.471 mil novos eleitores buscaram o alistamento eleitoral. Já em abril deste ano, esse número foi de 991.415 mil novos jovens com o primeiro título, um salto de 89,7% quando comparado ao mês anterior.

Continua após a publicidade

Publicidade