‘Roupa de menina?’ Que nada! Disney deixa de classificar as fantasias de Halloween por gênero

Por Da Redação 20 set 2015, 15h00

Importantes discussões sobre gênero e identidade sexual estão acontecendo. Recentemente, o site Radar Online publicou uma notícia dizendo que Angelina Jolie e Brad Pitt estão buscando a ajuda de especialistas para entender a questão de gênero de Shiloh, filha de nove anos do casal, que prefere ser chamada de John. “Ela gosta de se vestir como um menino. Ela quer ser um garoto”, declarou a atriz à revista Vanity Fair, em 2014.

Notícias como essa nos fazem pensar duas vezes antes de classificarmos uma roupa como sendo “de menina” ou “de menino”. Por quê? Quer dizer que uma garota não pode querer usar moletom e camiseta? Ela não pode preferir azul ao rosa? Ela não pode querer se fantasiar de seu personagem favorito no Halloween, mesmo que ele seja do sexo masculino? Pensando nisso, a Disney decidiu mudar a classificação do departamento infantil de suas lojas online. Agora, não existe “fantasias para meninos” e “fantasias para meninas”. Existe apenas “fantasias para crianças”.

disney01

 

Até o ano passado, a aba do site dedicada às meninas era toda trabalhada no rosa e no roxo. As fantasias sugeridas para o Dia das Bruxas? A maioria de princesas. Contudo, agora o cenário é outro. Quando você faz uma busca no site por fantasias de infantis de Halloween, não é mais direcionado para uma página com as opções “para meninas” e “para meninos”. A única opção agora é optar por “fantasias para crianças”.

disney

Continua após a publicidade

 

Além disso, na sessão “popular para princesas”, encontramos entre as sugestões de figurino um do Darth Vader, um Buzz Lightyear, um Hulk… Até porque não há absolutamente nada de errado em uma garota querer se vestir como seu personagem favorito. E se o seu queridinho for o Capitão América? E se for o Olaf, de Frozen? Quem disse que ela vai sempre querer ser a Elsa?

Em agosto, a Target, uma famosa loja fast fashion, também parou de classificar a sessão infantil por gênero. Parece algo irrelevante, mas não é. Essa nova geração de crianças, afetada por essa “simples” mudança, provavelmente não terá todo aquele ranço machista em sua educação. Porque esse lance de “roupa de menina”, “roupa de menino”, “cabelo de menina”, “cabelo de menino”, já é total old school!

Não é mesmo, Mulan?

 

Continua após a publicidade
Publicidade