Governo veta que delegacias da mulher funcionem 24h em São Paulo

'O governador falta com a palavra empenhada durante a campanha', disse autora do projeto reprovado sobre João Doria.

Por Isabella Otto Atualizado em 15 jan 2019, 16h46 - Publicado em 15 jan 2019, 15h41
promoção volta às aulas capricho 2019
Gif/CAPRICHO

Uma das promessas de governo de João Doria era ampliar o programa de apoio de proteção às mulheres, fazendo com que as delegacias femininas funcionassem 24h. A proposta, que foi redigida pela deputada estadual Beth Sahão (PT), contudo, foi vetada na última semana.

Reprodução/Reprodução

De acordo com o governador de São Paulo, a proposta é inconstitucional por impor mudanças administrativas que geram despesas além do esperado. Doria, contudo, garante que vai trabalhar para que sua promessa de mandato seja cumprida e que as mulheres se sintam protegidas. “Isso já está decidido”, afirmou.

A Secretaria de Segurança Pública se posicionou sobre o ocorrido explicando que, na maioria das vezes, a Delegacia de Polícia está mais próxima à vítima que a Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher, “o que torna mais ágil a realização de atos de polícia judiciária”. Para a Secretaria, o veto ao projeto não é tão grave.

A autora, entretanto, não está contente com a decisão do Governo: “o governador falta com a palavra empenhada durante a campanha. Ele prometeu, por diversas ocasiões, que colocaria as delegacias da mulher para funcionar 24 horas por dia e também nos feriados e fins de semana. Não vejo justificativa plausível para recusar esse projeto, que contempla justamente aquilo que ele prometeu durante a campanha”, disse Beth Sahão em entrevista ao O Globo.

No Twiter, Doria compartilhou uma matéria que considerou tendenciosa e deu seu lado da história: “a verdade é que uma deputada petista escreveu um projeto de lei de forma inconstitucional, como muito que esse partido tentou introduzir no BR! Vetamos para ajustá-lo, aprová-lo e ampliá-lo. As mulheres serão protegidas na nossa gestão!”.

Bem, não dá para dizer que ele também não foi tendencioso em sua resposta…

Continua após a publicidade

Publicidade