5 fatos validados pela ciência que vão te ajudar a recarregar as energias

Conheça algumas técnicas que prometem deixar seu indicador de energia do The Sims da vida real sempre verdinho

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 13 ago 2021, 17h16 - Publicado em 14 ago 2021, 10h05

Existem muitas práticas que estão relacionadas à redução do estresse, que automaticamente contribui para que nossas energias se renovem. Técnicas de respiração, atividades físicas e boas noites de sono são algumas delas. A seguir, você encontra seis dicas com embasamento científico que vão melhorar sua qualidade de vida:

1. Hidratar-se

De acordo com um estudo publicado no Journal of Nutrition, a desidratação pode causar dificuldade de concentração, e sensação de cansaço e tristeza. Mais um motivo para estar sempre de olho na quantidade de líquido que você ingere diariamente! Um indicador de hidratação é a cor do xixi: se a urina estiver escura, é um sinal de que você precisa tomar mais água, que compõe 70% do nosso corpo. Ela está ligada a uma série de transformações químicas importantes, ao transporte de substâncias, ao bom funcionamento dos rins e à ação do sistema digestório. Ah! E também impacta em nosso desempenho intelectual, viu?

2. Mexer o corpo

Grupo de mulheres aparece vestindo roupas para praticar exercício físico, no meio da rua, se alongando
Hinterhaus Productions/Getty Images

A prática de exercícios físicos, incluindo atividades mais leves, como uma simples caminhada, está associada à melhora de humor e ao aumento da sensação de bem estar. Quando movimentamos o corpo, hormônios como adrenalina, cortisol, que tem ação anti-inflamatória, e endorfina, associada ao prazer, são liberados. Além disso, esportes e atividades físicas têm impacto no campo social e psíquico. As conquistas influenciam a autoestima e trazem motivação para outras áreas da vida. 

3. Dormir bem

Que o sono é importante para descansarmos, todo mundo sabe. Contudo, poucos recordam que a ausência dele pode nos deixar irritados e com menos foco. Mais do que as horas dormidas, é importante pensar na qualidade do sono. Hábitos como desligar o celular e a televisão algumas horas antes de deitar-se e não consumir alimentos com cafeína à noite te ajudam a descansar melhor. A ciência também comprovou que, em casos de exceção, com uma noite mal dormida, sonecas estratégicas têm efeitos positivos para a saúde. Um artigo publicado no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, que analisou os níveis hormonais da urina e saliva dos participantes, mostrou que uma soneca de 30 minutos pode reduzir os níveis de estresse consideravelmente.

4. Organizar e limpar o ambiente

Na imagem, um computador aparece sob uma escrivaninha ao lado de alguns livros e uma planta
wera Rodsawang/Getty Images

Estar em um ambiente organizado ajuda a ter uma maior produtividade, além de auxiliar na capacidade mental. O sistema respiratório também se beneficia quando a casa está limpa. De acordo com a médica Angélica Collado, para o site Casa de Valentina, “dezenas de estudos científicos indicam que pessoas pré-dispostas a sofrer problemas respiratórios têm sua situação piorada em ambientes que facilitam a proliferação de fungos e bactérias, sendo o ideal é manter o ambiente sempre limpo e o mais arejado possível”. 

Continua após a publicidade

5. Fazer trabalhos manuais

A prática de atividades manuais está associada ao combate do estresse. Os resultados mostram uma relação significante entre a frequência do ato de tricotar e a frequência de sentir-se calmo e feliz”, afirmou um grupo pesquisadores em artigo publicado no The British Journal of Occupational Therapy. O atleta britânico Tom Daley, que ganhou medalha de ouro nas Olímpiadas, nos saltos ornamentais, chamou a atenção em Tóquio justamente por apostar no tricô e crochê para cuidar da saúde mental.

  • 6. Focar em exercícios de respiração

    Mulher aparece usando conjunto cinza, de pernas cruzadas e meditando
    Marko Geber/Getty Images

    Ter um maior controle e consciência sobre a respiração impacta tanto nossa saúde física quanto mental. Além da meditação, há outros tipos de terapias respiratórias que ensinam até a mudar a forma como se respira. Um estudo realizado por Hassan Jafari, pesquisador da King’s College London, concluiu que uma respiração mais profunda pode estar associada ao controle da dor, fazendo com que outros pesquisadores acreditem que isso pode trazer benefícios no tratamento de algumas dores crônicas. Já em relação à saúde mental, ao ter uma respiração mais consciente, cientistas acreditam que é possível controlar a inspiração e expiração para manter ou tentar induzir a calma. Além disso, a respiração também está associada a um maior equilíbrio emocional em determinadas situações.

    E aí, qual desses fatos mais chamou sua atenção? Já sabia de todos?

    Continua após a publicidade
    Publicidade