Depressão de fim de ano: tentativas de suicídio crescem no mês de dezembro

Planos frustados, solidão e pressão para a realização de novas metas podem ser bastante cruéis.

Por Gabriela Junqueira e Isabella Otto Atualizado em 23 dez 2019, 11h01 - Publicado em 23 dez 2019, 10h01
KIT DE NATAL CAPRICHO CACAU SHOW CHOCOLATE PORTA MAKE
CAPRICHO/Divulgação

No começo de dezembro, o Google divulgou uma lista com as pesquisas mais realizadas no ano. Entre as dúvidas mais consultadas pelos brasileiros estava a de “como fazer que as pessoas gostem de mim?”. Segundo levantamentos da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da OMS (Organização Mundial da Saúde), as taxas de suicídio cresceram 24% no Brasil entre 2006 e 2015, entre pessoas de 15 a 24 anos, fazendo com que o suicídio seja a segunda maior causa de morte entre os jovens. O clima de Natal e de fim de ano, para muitos um dos melhores do ano, pode ser bastante frustante para os que não conseguiram alcançar todas as metas, realizar todos os sonhos, sentem-se cobrados pelo tempo, pelos familiares e amigos, por si mesmos, ficam com aquele sentimento de solidão e de tristeza. Em 2017, o CVV (Centro de Valorização da Vida) divulgou que, no mês de dezembro, principalmente nesse período de festas, as ligações de pessoas pedindo ajuda costumam aumentar 15%. Recentemente, o especialista Dr. Anthoni Wong ressaltou essa preocupação durante sua participação no programa “Rádio Livre”, da Bandeirantes.

Elena Garder/Getty Images

UM ANO AMARELO
O dia 10 de setembro foi definido pela OMS como o dia da prevenção ao suicídio. No Brasil, o Centro de Valorização da Vida criou o movimento “Setembro Amarelo”, uma campanha de conscientização que busca divulgar ações de prevenção. De acordo com o CVV, 9 entre 10 mortes por suicídio podem ser evitadas.

Uma das primeiras medidas preventivas é tornar o assunto público, ou seja, conversar sobre ele e quebrar tabus que ainda, e infelizmente, existem. Buscar informação é o diferencial! Precisamos falar sobre o suicídio durante o ano inteiro. Só assim, familiares e amigos poderão oferecer ajuda da maneira mais adequada.

Quem está pensando em cometer suicídio não quer se matar, mas acabar com a dor insuportável que está sentindo. Se você notar que precisa de ajuda, o CVV disponibiliza uma linha de apoio gratuita e nacional pelo número 188. Além da linha, também é possível conversar por e-mail ou por um chat 24 horas. Ah! Todas as ligações e conversas são mantidas em sigilo, viu?

As tentativas de suicídio costumam ser resultado de um conjunto de pressões, sentimentos e situações. Se você está passando por algo do tipo, peça ajuda e lembre-se de que sempre existe uma saída.

  •  

    O FIM DE ANO
    Se o fim de ano te deixa com uma sensação esquisita e você já luta contra a depressão, é preciso ficar atenta e ser ainda mais forte. E, é claro, contar com o apoio de pessoas em quem confia. “Eu não gosta da época. Sempre fico triste, porque não tenho uma família unida e nunca tenho para onde ir”, compartilhou a leitora F.C. para a CAPRICHO. Já a leitora M.O. disse que não sabe se é só com ela, mas acha esse período meio pra baixo. “Sempre fico triste, com a cabeça cheia de pensamentos estranhos”.

    Esses sentimentos podem estar relacionados a uma ideia de que falhamos por não termos uma vida parecida com a vendida nas propagandas de fim de ano ou compartilhadas nas redes sociais, geralmente mostrando grandes famílias unidas ao redor de uma mesa com uma ceia farta. Essa sensação de solidão pode se tornar ainda mais intensa se uma pessoa especial já não faz parte do seu convívio, como uma avó muito querida, por exemplo. O Natal, principalmente, é uma data bastante familiar e, quando as coisas em casa não são ou não estão das melhores, o coração pode apertar e a mente, pregar peças. Nessas horas, respire fundo e lembre-se de que a vida real é muito mais complexa e cheia de altos e baixos do que parece. Além disso, não acontece só com você.

    Todos temos questões familiares, dias bons, outros nem tão legais assim, conquistas, algumas decepções, momentos em que rimos até a barriga doer e outros em que choramos por sentir um vazio interno muito grande. Tudo bem não ter riscado todos os itens da lista que você preparou para esse ano. Mesmo não realizando tudo o que você escreveu em alguma página daquele seu planner, apostamos que você viveu muitos momentos felizes nesses últimos 365 dias. E, no fim das contas, essa é a maior meta de todas!

    Continua após a publicidade
    Publicidade