Você cuida da sua saúde íntima assim como adota uma rotina de skincare?

O autocuidado é a palavra da moda e vai além da aparência física. São hábitos saudáveis de olhar para nós mesmas com carinho

Por Abril Branded Content Atualizado em 2 out 2020, 16h09 - Publicado em 24 set 2020, 10h00

Todo mundo já ouviu aquela frase que diz “seu corpo é o seu templo”, certo? E é mesmo superimportante ter essa atenção. Hoje, há opções de rotinas para tudo: skincare, meditação, exercícios físicos, terapia, entre tantas outras. Mas você já parou para pensar no tempo que dedica no seu dia a dia para cuidar da sua saúde íntima? Essa também é uma parte muito importante para incluir nos hábitos de autocuidado, pois, além de colocar a sua saúde em primeiro lugar, proporciona bem-estar e evita possíveis doenças.

Como cuidar da saúde íntima?

Desde cedo, ouvimos diversos conselhos sobre alimentação saudável, atividade física, mas os cuidados com a saúde íntima também devem fazer parte dessa listinha.

O primeiro passo importante é entender os sinais que seu corpo dá. E, quando você adota uma rotina de autocuidado, enxergá-los e compreendê-los fica muito mais fácil. É também um ótimo exercício de autoconhecimento.

A cólica menstrual mais intensa do que normalmente acontece, a cor da menstruação, corrimento, coceiras são alguns sinais que podem ser percebidos. E olhar para eles com atenção, procurar ajuda e conversar com um especialista são passos importantes.

Quer saber mais? Veja outros conselhos abaixo.

Continua após a publicidade

Uso de duchas internas: elas não são recomendadas porque podem irritar a mucosa vaginal e atrapalhar a defesa natural do corpo. O ideal é lavar a região apenas na parte externa (vulva) com produtos específicos.

gif-cabelo
GIF/Reprodução

Roupas muito apertadas podem ser prejudiciais: jeans e roupas de ginástica, por exemplo, são peças que ficam muito coladas ao corpo e mantêm a região íntima abafada, o que pode causar a proliferação de micro-organismos prejudiciais à saúde. Tente revezar com peças mais soltinhas e de tecidos mais leves, que deixam a região íntima ventilada.

GIPHY/Reprodução

Não use roupas molhadas por muito tempo: ambientes úmidos se tornam ótimos locais para a proliferação de micro-organismos, o que pode causar infecções por fungos. O ideal é vestir uma roupa seca assim que possível, evitando umidade e calor na região íntima.

gif-sol
GIF/Reprodução

Um respiro é sempre bom: uma atitude que pode ajudar a melhorar a saúde vaginal é mantê-la ventilada. Dormir sem calcinha, por exemplo, é um hábito que traz muitos benefícios, evitando abafamento, suor e outros desconfortos. Mas, se isso não te deixa muito confortável, opte por usar calcinhas de algodão e em modelagens mais largas, que permitam maior ventilação da região íntima.

Gif/Reprodução

    Todos esses hábitos colaboram, e muito, com a saúde da vagina. Mas a dica mais importante de todas é: procure sempre um ginecologista! Mesmo que conheça bem seu próprio corpo, a orientação médica é fundamental para nossa saúde e bem-estar. É essencial falar sobre dúvidas e relatar qualquer desconforto ou sinal estranho que tenha encontrado no seu corpo e na sua rotina de autocuidado. Vale repetir: seu corpo é o seu templo! Cuide bem dele!

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade