Anorexia e bulimia: caia fora dessa!

Se a preocupação com o corpo e com a comida não sai da sua cabeça, é hora de parar e pensar: será que isso é saudável?

Você deve conhecer alguém assim. Aquela amiga que só fala em comida, que sabe todas as novidades da dieta, que fica mandando todo mundo comer enquanto ela belisca um tequinho e diz que está estourando.

Ou que, quando come, fica se lastimando, reclamando, jurando que amanhã vai ficar só na água ou vai se matar na academia. Ai, fala sério: ninguém merece!

Além de ficarem muito chatas, meninas assim correm um grande risco: o de desenvolver doenças relacionadas à alimentação, chamadas de transtornos alimentares .

Os mais conhecidos são a bulimia e a anorexia . Apesar de serem bem diferentes, essas doenças têm como origem comum a preocupação excessiva com o corpo. É aquele medo enorme de engordar que transforma a relação com a comida na coisa mais importante do mundo.

As anoréxicas simplesmente param de comer e continuam se achando gordas mesmo depois de estarem esqueléticas. ?É um distúrbio de imagem. A menina fica pura pele e osso, mas quando se olha no espelho tem a sensação de que precisa emagrecer mais?, explica Vanessa Pinzon, psiquiatra do Projeto Interdisciplinar de Atendimento, Ensino e Pesquisa em Transtornos Alimentares na Infância e Adolescência (Protad), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Já as bulímicas, colocam o dedo na garganta para provocar o vômito, passam horas a fio suando na academia, tomando laxante ou ficando o dia inteiro em jejum para não engordar. ?E nos momentos de compulsão elas comem tanto que acabam engordando mais do que se tivessem comido normalmente durante o dia?, explica Vanessa.

O que é normal?

Isto é normal: Olhar-se no espelho e achar que está com uma barriguinha meio saliente. Prometer-se que amanhã vai começar a fazer ginástica, sem deixar de lado o sorvete com a amiga. 

Isto não é normal: Olhar-se no espelho e achar que está com uma barriguinha horrorosamente grande. Ligar para a amiga, desmarcar o sorvete e correr para a academia.

Isto é normal: Exagerar no lanche com as amigas e comentar: ?Putz, comi demais!?

Isto não é normal: Exagerar no lanche com as amigas, pensar ?comi demais? e correr para o banheiro vomitar tudo.

Isto é normal: Controlar-se para não exagerar nos doces durante a semana. Assim você pode se esbaldar no almoço na casa da sua avó no domingo.

Isto não é normal: Esbaldar-se no almoço da sua avó no domingo e, por isso, passar o resto da semana a água e alface, falando a cada minuto ?eu sou uma gorda, eu sou uma gorda?.

Isto é normal: Saber quais alimentos fazem bem à sua saúde e quais engordam. Tentar, dentro do possível, maneirar nos doces e frituras.

Isto não é normal: Conhecer as calorias de todos os alimentos e recusar veementemente qualquer coisa que possa engordar.

Isto é normal: Querer ter um corpo bonito.

Isto não é normal: Achar que é impossível ser feliz se não for magérrima.

Isto é normal: Escolher aquela musse de chocolate deliciosa de sobremesa. À tarde você se controla mais.

Isto não é normal: Ver aquela musse de chocolate que você adora e preferir a taça de gelatina diet.

Onde procurar ajuda?

* Protad/Ambulim (Projeto Interdisciplinar de Atendimento, Ensino e Pesquisa em Transtornos Alimentares na Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas.

Rua Doutor Ovídio Pires de Campos, s/n, tel. (11) 3069-6975, São Paulo, SP.

* Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente/Proata ? Programa de Orientação e Assistência aos Pacientes com Transtornos Alimentares da Universidade Federal de São Paulo.

Rua dos Otonis, 887, tel. (11) 5579-1543, São Paulo, SP.

* Ambulatório de Distúrbios de Conduta Alimentar do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto .

Avenida Bandeirantes, 3000, tel. (16) 602-2342, Ribeirão Preto, SP.

* Unidade de Psiconeuroendocrinologia do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia da PUC do Rio de Janeiro .

Rua Moncorvo Filho, 90, tel. (21) 2221-7577, Rio de Janeiro, RJ.

* Ambulatório de Transtornos de Comportamento Alimentar da Fundação Universitária Mário Martins .

Rua Dona Laura, 221, tel. (51) 3333-3266, Porto Alegre, RS.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s