O lado perigoso de 13 Reasons Why existe e precisa ser discutido

Sim, a série é incrível por tratar tão abertamente de assuntos nem sempre abordados pela grande mídia. Mas ela tem gatilhos que preocupam.

ATENÇÃO! ESTA MATÉRIA CONTÉM ALGUNS SPOILERS DA SÉRIE!

.

.

.

Enquanto muita gente tem elogiado a série 13 Reasons Why, por ela finalmente dar visibilidade a temas tão importantes como bullying e distúrbios mentais, outras pessoas destacam o lado possivelmente perigoso desse seriado. A questão é que a série é cheia dos famosos “gatilhos” que, de acordo com a psicanalista Flávia Schimith Escrivão, são situações e/ou vivências expostas que podem lembrar a pessoa de um trauma que ela viveu ou desencadear algum surto em período de fragilidade.

Um dos pontos mais criticados é o fato de as cenas de suicídio e de estupro terem sido retratadas tão explicitamente (não daremos spoilers, mas, se você já assistiu ao último episódio, sabe do que estamos falando). O roteirista da série Brian Yorkey já explicou que ele queria que elas fossem bem reais para ajudar as pessoas a entenderem o que realmente acontece na cabeça de quem passa por isso. A Dra. Flávia destaca que isso não é de todo ruim, porque alguns adolescentes podem observar a situação que é retratada e se sentirem representados, e, diante desse reconhecimento, saberem que não estão sozinhos.

Contudo, ela alerta que existe, sim, o lado perigoso dessa explícita retratação. Tem gente que, por já ter vivido uma situação parecida ou estar se sentindo da mesma forma que a personagem Hannah, acaba revivendo a angústia e desencadeando uma crise. Vale destacar, no entanto, que isso se trata de uma somatória de fatores. “É muito difícil que alguém que nunca viveu um trauma desenvolva alguma coisa só por causa da série de ficção“, a psicanalista ressalta. Ficar chocada com cenas fortes é normal, mas elas só servem de gatilho se você já estiver fragilizado. A indicação é, portanto, que pessoas com depressão evitem a série.

Justamente por essa questão, em 13 Reasons Why há avisos antes dos episódios que contém conteúdo violento. Ainda assim, a forma como ele é mostrado importa bastante e esbarra em questões importantes que preocupam Organização Mundial da Saúde. “Eles têm recomendações para situações que são retratadas na ficção. Uma das coisas que a OMS coloca é que cenas como as de estupro e suicídio sejam retratadas com muito cuidado, justamente pela questão do gatilho“, a Dra. Flávia explica.

Outro ponto que tem sido polemizado na internet é se a questão de mostrar o suicídio como única opção, no caso da personagem Hannah, pode influenciar negativamente as pessoas. De fato, segundo a psicanalista, isso pode fazer com que alguém já fragilizado acabe levando em consideração que talvez a morte seja a única saída para ele também. Mas é preciso reconhecer que, para algumas pessoas, o impacto de ver toda aquela situação acaba incentivando a procurar por ajuda. É o choque de realidade!

O Centro de Valorização da Vida, que oferece apoio emocional e prevenção ao suicídio no Brasil por telefone, e-mail, chat e Skype, conta que, desde o lançamento da série, a busca por ajuda subiu em 445%. “A maneira mais adequada de lidar com isso é procurar auxílio profissional ou até mesmo entre amigos e família”, a Dra. Flávia reforça.

De qualquer forma, a especialista sugere que outro final poderia ter sido feito para minimizar o perigo, nem que fosse um final alternativo na internet. “Ao invés de tratar só do sofrimento de uma personagem, poderiam ter trazido ali um caso bem sucedido de alguém que sofreu bullying, é depressivo e que se tratou (e continuará se tratando firme e forte)”, confessa. Afinal, buscar ajuda e se cuidar é sempre a melhor alternativa, ok?

Então, se você quiser assistir não apenas a 13 Reasons Why, mas também a qualquer outro filme ou série que trate de assuntos delicados, é bom ter em mente que se você tiver traumas parecidos ou esteja passando por algum problema de depressão, é melhor pensar duas vezes antes de fazer isso, pois mesmo pequenos gatilhos podem acabar te angustiando. Outra recomendação que a Flávia Escrivão acha interessante dar é que, se você resolver assistir a esses conteúdos assim mesmo, que esteja na companhia de um responsável.

Da mesma forma que a série trata de assuntos muito sérios, suas consequências também devem ser tratadas com seriedade. É claro que, por um lado, tem a mensagem positiva de conscientizar as pessoas sobre o bullying e os impactos disso na vida das pessoas, além de alertar sobre a gravidade de toda a situação. Mas não dá para ignorar que a forma como isso foi feito pode impactar muitas pessoas negativamente. 13 Reasons Why não fala apenas com quem precisa refletir sobre suas atitudes, mas também com quem está sofrendo com a vida, com o dia a dia, com quem é. A depressão é uma doença traiçoeira e todo cuidado é pouco!

+ Leia mais: ‘Precisamos falar sobre a depressão. Ela é real e é um inferno!’

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Natalia Oliveira

    nossa isso é verdade, a serie me fez lembrar de varias coisas ruins que ja me aconteceram que me fizeram ficar se sentindo super mal, e quem ja teve depressao e sabe quao mal a hanna estava se sentindo, a serie é muito boa.
    http://www.milharesdevisoes.com/2017/04/playlist-anos-90.html

    Curtir

    1. Vitória Marques

      Eu não lembrei de nada, pois estava focada na história da Hannah e não na minha. Agora que fui lembrar vendo essa matéria.

      Curtir

  2. Nayra Dayane

    Mas gente, sem querer treta ,mas a série é sobre suícidio. Além do aviso sobre a temática, a série trata sobre isso, assiste quem quer cara!,sim existem pessoas frágeis, mas a série avisa.

    Curtir

  3. Deila Freitas

    Deveriam entrar em contato com algum adolescente que já passou por situações parecidas e que conseguiu superar, e simplesmente divulgarem sua superação para os demais.

    Curtir

    1. Carolinna Guedes

      Mas a série mostra a menina que trabalha na cafeteria que tbm tentou suicídio, pelo que caminha a série vai haver segunda temporada e derrepente aprofundam mais na história dá menina dá cafeteria

      Curtir

  4. A primeira coisa que pensei quando assisti a serie foi isso, que iria impactar de forma diferente cada pessoa que assistisse, no caso de alguem que esteja passando pelas as mesmas coisas pode vir ate induzir a algo.

    Curtir

  5. Então não fale sobre nada, não aborde tema algum e ignore todos os fatos.
    Encaro a série como um alerta aos pais e amigos de quem sofre Bullyng é transtornos seja lá aonde for aplicado.
    Quem tem tendência a suicídio ou a agressão, fará independe dá série.
    Para quem possui sensibilidade, o ideal é não assistir sozinho. Marca com amigos ou um parente para que não se impressione tanto nas cenas mais fortes, foi o q fiz com minha sobrinha até mesmo para tirar a tensão do momento da morte da Hannah.
    Enfim. Acho a série mto válida e indispensável para que observemos um grito de socorro de alguém que não consegue expressar com palavras.

    Curtir

  6. Marcella Outor

    Eu acho muiiito hipócrita tanta gente ficar falando da escolha da hanna pela morte , eu ja ouvi e li tantas coisas falando mal e julgando a serie por causa disso , enquato em como eu era antes de você o will fez a mesma escolha e muitos babacas aplaudiram de pé e falaram que era um otimo filme . Acho que a sociedades devia de repensar

    Curtir