Jogos Mortais da internet não são ficção e fazem vítimas reais

'Gamers não morrem. Eles simplesmente reiniciam o jogo'. Mas nem sempre.

A internet é incrível! Com ela, você consegue descobrir coisas novas, aprender, conhecer gente com o mesmo gosto que o seu… Mas ela também é perigosa. Além das pessoas mal intencionadas que encontramos na rede, os “desafios” parecem estar se tornando cada vez mais populares, principalmente com o “boom” dos canais no YouTube.

No último domingo, 16, o gamer Gustavo Detter, de 13 anos, morreu no Hospital Ana Costa, em Santos, litoral de São Paulo, após uma partida online. Fã de League of Legends, o adolescente foi desafiado por outros jogadores a fazer o Choking Game, também conhecido como Jogo do Desmaio, depois de perder uma rodada. Pela webcam, os demais participantes acompanharam tudo. É muito comum que os perdedores sejam desafiados pelos ganhadores durante partidas online. Uma espécie de verdade ou desafio, em que as competições são mortais. “Gamers não morrem. Eles simplesmente reiniciam o jogo”… Mas não no caso de Gustavo. 

Jogos Mortais da internet não são ficção e fazem vítimas reaisÉ importante destacar que não foi “um game online” que matou o menino, como muitos estão dizendo, mas um desafio viral que, infelizmente, ainda é tratado como uma simples brincadeira por certos gamers.

Famoso não só na web, o Jogo do Desmaio é praticado por estudantes em escolas há anos. Em 2014, diversos alertas foram enviados para colégios, para que os professores supervisionassem os alunos e para que as crianças e os adolescentes se conscientizassem dos perigos da “brincadeira”. Com o intuito de interromper o fluxo de ar que chega até o cérebro e provocar desmaios e até sensações de euforia, o praticante do Choking Game pode pressionar o próprio pescoço com as mãos ou usar algum material para isso. Nas escolas, é muito comum que terceiros apliquem o Jogo do Desmaio, pressionando de forma forte e rápida o peito da vítima. A prática de interromper o fluxo de oxigênio pode causar parada cardíaca, sequelas graves no cérebro e até morte. Gustavo Detter, por exemplo, teve uma lesão neurológica incurável e complicações devido ao estímulo. Em agosto deste ano, outro jovem morreu vítima do Jogo do Desmaio, em uma escola de Manágua, na Nicarágua.

No YouTube, é fácil encontrar vídeos de pessoas sendo desafiadas e desafiando. São os Jogos Mortais dos youtubers. Pessoas entrando em piscinas com gelo e sal, comendo canela, espirrando desodorante na boca… O Neknominate é uma prática em que pessoas desafiam umas as outras a beber drinks malucos (ou nem tão malucos assim) em condições extremas: no meio da neve, usando um vaso sanitário como copo, ingerindo o líquido em poucos segundos. Em 2014, quando essa onda viral começou, o jornal ABC News fez uma reportagem mostrando que, em poucos meses, cinco jovens com menos de 30 anos haviam morrido “brincando” de Neknominate.

Outro desafio bastante comum na internet é o Chubby Bunny, em que a galera vai enchendo a boca de marshmallows enquanto pronuncia o nome do jogo. O intuito? Pagar micão. Há relatos de crianças que foram tentar reproduzir o desafio em casa e morreram sufocadas. A americana Catherine Fish, de 12 anos, foi uma das vítimas e morreu engasgada, por asfixia. Triste não é apenas ver esses desafios virais perigosos renderem tantas visualizações e curtidas, mas notar que algumas pessoas tiram proveito desses acidentes para se promover online – e aproveitam até para tirar sarro, como é possível ver no vídeo abaixo. Não deveria ser engraçado.

O Planking é outro viral online que, desde 2011, preocupa. A prática consiste em deitar de barriga para baixo, com os braços e pernas juntinhos do corpo, como se você estivesse sobre uma prancha de surf, e se equilibrar em lugares inusitados. O que, para muitas pessoas, é sinônimo de perigosos. Tem uma galera fazendo planking em sacadas de prédios enormes, árvores, escadas rolantes, postes, semáforos, pontes…

Será que vale tudo mesmo na corrida por visualizações? Até que ponto os desafios da internet são engraçados? Se os youtubers são os novos grandes influenciadores, não deveriam eles terem mais cuidado com o conteúdo postado? Há um limite para tudo, até mesmo para os #challenges. Você pode pagar com a sua vida – ou com a vida de outra pessoa. Quantos mais “Gustavos” vão precisar existir?

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Melhor matéria da Capricho que foi feita até hoje. Um exemplo.

    Curtir

    1. Lariih FigBm

      Verdade 👍

      Curtir

  2. Lembrei agora que alguns inscritos desafiaram 2 vezes o Cellbit a mastigar sabonete em dois videos dele… 😦

    Curtir

  3. Vitória Oliveira Silva

    Tava sentido falta de matérias assim capricho arrasou e é por isso que eu não desisti de você

    Curtir

  4. Ariane da Silva Palmas

    Pensar que tem gente que é idiota ao ponto de arriscar a própria saúde e até a vida para entrar nesses desafios e modinhas ridículas. Muito tenso isso

    Curtir