Biomedicina: O trabalho da Karol é estudar novos medicamentos

Na terceira matéria da série Vida de Estagiário, descubra como é estagiar no centro de pesquisa de um grande hospital.

Não importa se é um simples remédio para dor de cabeça ou aqueles que a sua avó toma para o coração: todo medicamento passa por um montão de testes antes de ir para o balcão da farmácia. Esses estudos, que buscam medir a eficiência dos novos remédios, são feitos em centros de pesquisa de hospitais, como o do Albert Einstein, em São Paulo, onde a Karolina Fernandes trabalha!

Estudante do 3º ano de Biomedicina na Universidade São Camilo, Karol, de 22 anos, escolheu o curso pesquisando áreas relacionadas à medicina. “Me interessei pela Biomedicina quando descobri que esses profissionais, entre outras coisas, fazem pesquisas clínicas de novos medicamentos”, diz ela, que conseguiu um estágio para fazer exatamente isso pesquisando vagas nos sites dos hospitais. “Enviei o meu currículo pelo e-mail que tinha lá e dois meses depois me chamaram”.

Lá no Centro de Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein, a graduanda faz de tudo para que os estudos de novos medicamentos deem certo. Isso inclui preencher protocolos das consultas, verificar se os medicamentos estão na validade, organizar o estoque, etc. Mas ela também desempenha outras funções menos burocráticas. “Eu ajudo a recrutar pacientes, acompanho as consultas e, depois de um tempo, até ganhei a liberdade de conduzir um estudo sozinha. Com supervisão da coordenadora, é claro!”.

Mas a parte mais legal do estágio foi quando a Karol pegou um avião com a galera que trabalha com ela e foi à Buenos Aires para uma reunião com profissionais de vários outros centros de pesquisa. “As empresas farmacêuticas promovem encontros desses profissionais com os cientistas que descobriram os novos medicamentos para que eles discutam os estudos e as novidades sobre o remédio”, explica a jovem, que ainda completa: “Foi maravilhoso ter essa abertura pra ir lá e trocar conhecimento com gente de vários lugares diferentes”.

Mas, como dá para imaginar, nem tudo no estágio são viagens internacionais. Para dar conta da faculdade e do trabalho, Karol faz de tudo para levar a vida mais organizada possível, o que inclui alguns sacrifícios. “Às vezes, eu deixo de sair no final de semana para estudar. Estudo até no ônibus, voltando pra casa!”, conta ela, que dorme tarde, acorda cedo e gasta os R$ 1.700 que ganha por mês com a mensalidade da faculdade e com o curso de inglês. Ah! E ela ainda consegue guardar um pouquinho, acredita? “Tem meses em que eu tenho que economizar bastante. Mas sinto que tudo está valendo a pena!”, alegra-se.

BIOMEDICINA
– Perfeito pra quem… Gosta de medicina, mas tem um pouquinho de cientista no DNA.
– Duração do curso: 4 anos
– Melhores cursos*: USP, Unesp, Unifesp, UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro e UFU (Universidade Federal de Uberaba)
– Quanto paga no estágio? De R$ 1.000 a R$ 1.700
– Quanto paga depois de formado? De R$ 3 a R$ 8 mil

*Segundo o MEC

 

+ Leia mais: Direito: Rayline trabalha no STF com a maior juíza do Brasil

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Juliana Milan Alves

    A matéria ficou ótima!!! Parabéns pra Karol 😀
    Só alguns detalhes: o curso não é perfeito pra quem gosta de medicina. Não é assim que funciona e esse pensamento só deixa o curso sem credibilidade no mercado de trabalho (o que ja é difícil para os biomédicos) e serve como base pros que cursam medicina ficar dizendo que é subcurso, o que é muito chato e ridículo. Outra coisa, a UFU (onde faço o curso) é de Uberlândia e não Uberaba, sendo que a que fica lá é a UFTM! E o valor pra estágio não condiz com o que todo estagiário no país, em qualquer profissão, recebe. A bolsa de estágio gira em torno de $400 (sendo em escritórios ou em laboratórios). Espero que corrijam esses dados. Obrigada.

    Curtir